Paris

Carro incendeia-se após chocar com carrinha da polícia em Paris. Foi “tentativa de atentado”, diz ministo

109

Um carro chocou com uma carrinha da polícia nos Campos Elísios, incendiando-se. Homem morreu e a polícia encontrou vários explosivos e armas no carro. Ministro do Interior confirma possível atentado.

YOAN VALAT/EPA

A polícia francesa avançou no Twitter que montou um perímetro de segurança na zona dos Campos Elísios, no centro de Paris. A operação policial deveu-se a um choque entre um carro e uma carrinha da polícia, que se incendiou. O condutor morreu e as autoridades encontraram bombas de gás, pistolas e uma kalashnikov dentro do carro.

A secção anti-terrorismo da procuradoria de Paris já abriu uma investigação e o ministro do Interior Gérard Collomb afirmou que se tratava de uma “tentativa de atentado” sobre uma carrinha das autoridades que descia os Campos Elísios”. De acordo com fontes oficiais, citadas pela Lusa, o atacante era um homem de 31 anos oriundo de um subúrbio de Paris, que estava referenciado pelas autoridades.

Citadas pelas agências internacionais, as fontes oficiais, que preferiram falar sob anonimato, precisaram que o homem era oriundo do subúrbio parisiense de Argenteuil e que estava referenciado pelas autoridades por potenciais ligações extremistas.

Este ataque “mostra uma vez mais que o nível de ameaça em França é extremamente elevado”, mencionou Gérard Collomb, num momento em que o país vive em estado de emergência desde os atentados de novembro de 2015. Collomb acrescentou que vai apresentar na quarta-feira um projeto-lei que prevê o prolongamento do regime de exceção de 15 de julho, data em que expira o atual prazo, até 01 de novembro.

Um jornalista do Libération, que testemunhou a cena, diz que o carro se incendiou quando embateu na carrinha, mas que os agentes da polícia conseguiram tirar o condutor do carro e deitá-lo no chão. Os agentes tentaram apagar as chamas com extintores.

Este incidente acontece cerca de duas semanas depois de um agente policial ter sido atacado junto da catedral de Notre Dame, no centro de Paris. Nesse ataque, o agressor, que foi neutralizado pelas forças policiais e que reivindicou ser um “soldado” do grupo extremista Estado Islâmico (EI), atacou o agente com um martelo quando este patrulhava a praça em frente da catedral.

Os últimos ataques perpetrados em França têm tido como alvo as forças de ordem e um deles também ocorreu na avenida parisiense dos Campos Elísios.

A 20 de abril, o polícia Xavier Jugelé, de 37 anos, foi abatido a tiro na avenida parisiense por um terrorista, num ataque que foi reivindicado pelo EI. Dois outros agentes policiais ficaram feridos no ataque, que ocorreu alguns dias antes da primeira volta das recentes eleições presidenciais francesas.

Antes já tinham ocorrido outros ataques, sem vítimas mortais, no Museu do Louvre e no aeroporto internacional de Orly que visaram militares franceses.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
CDS-PP

A moção e a censura de um país

José Pinto

A Constituição não limita o direito à censura por parte dos cidadãos. É a essa censura – e revolta indignada - que nenhum Governo pode fugir. Face à censura coletiva, a discussão da moção nada adianta

Incêndios

O fogo e o papel de Portugal

José Barbedo

Enquanto a ocorrência de fogos faz parte do ciclo natural das florestas, a escala dos incêndios que tem ocorrido ao longo das últimas duas décadas era totalmente desconhecida no passado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site