Logo Observador
Londres

Atropelamento no norte de Londres faz um morto. Polícia fala em terrorismo

255

Uma carrinha atropelou pelo menos dez pessoas em Londres na madrugada desta segunda-feira. A polícia está a tratar a ocorrência como atentado. Há um morto confirmado

A Polícia Metropolitana de Londres confirmou a primeira vítima mortal do atropelamento que aconteceu na madrugada de segunda-feira na zona de Finsbury Park, no norte de Londres. Já se sabe também que as autoridades estão a tratar a ocorrência como um potencial atentado terrorista.

Há relatos de que pelo menos uma dezena de pessoas foi atropelada e de que nove foram encaminhados para o hospital. O condutor da carrinha já foi preso: é um homem de 47 anos e chama-se Darren Osborne, que será em breve submetido a exames psiquiátricos, avança a imprensa britânica. Inicialmente foi divulgada a informação de que o homem tinha 47 anos.

O atropelamento aconteceu perto da mesquita de Finsbury Park, num centro de apoio à comunidade muçulmana, o Muslim Welfare House. Finsbury Park é uma zona com um grande número de muçulmanos, que estariam a assinalar mais um dia de Ramadão com uma oração. Através do Twitter, o Conselho Muçulmano Britânico confirmou o incidente.

A Sky News avança que dez pessoas terão sido atingidas, enquanto o vespertino Evening Stardard diz ter ouvido de várias testemunhas que o homem que guiava a carrinha saiu do veículo direito às pessoas com uma faca na mão. Há relatos de que pelo menos uma pessoa possa ter sido esfaqueada — informação que a polícia não confirmou. Várias testemunhas disseram também que seriam três os homens que estavam dentro da carrinha, e que dois terão escapado.

“Havia muita gente a sair da mesquita e a carrinha guinou à esquerda e foi direitinha a essas pessoas. Vi quatro pessoas no chão e pelo menos uma foi esfaqueada”, disse uma testemunha ao jornal britânico.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse tratar-se de “um incidente terrível” e o líder dos trabalhistas, Jeremy Corbyn, mostrou-se “totalmente chocado” com o sucedido.

Imagens publicadas na rede social Twitter mostram um considerável aparato policial. A polícia formou um cordão para bloquear o acesso à estrada. Segundo o diário The Guardian há mais de uma dúzia de ambulância destacadas no local e há pessoas a serem assistidas pelos serviços médicos no local. O atropelamento aconteceu na interceção da rua Seven Sisters com a rua Tollington.

Uma testemunha no local, que não quis dar o seu nome, disse à agência de notícias Associated Press que viu pelo menos três pessoas estendidas no chão, uma delas estaria a ser reanimada pelos paramédicos. Já Boubou Sougou falou com o The Guardian e disse que viu a carrinha “a guiar deliberadamente contra as pessoas”. Sougou também confirmou ter visto exercícios de reanimação a uma das vítimas. “Não foi um acidente. Eu vi tudo. Há pessoas feridas com gravidade. O condutor tentou escapar mas as pessoas agarraram-no. Ele não disse nada”, contou o jovem de 23 anos.

“É um ataque terrorista, a cor da pele não muda isso”

Mesmo sem confirmação sobre a razão para este incidente, já há muitas vozes revoltadas nas redes sociais a pedir que se trate o que se passou em Finsbury Park como um ataque terrorista. “Repete comigo BBC: “Ataque terrorista”, NÃO incidente, “Ataque terrorista”, pede um londrino, com ironia, à cadeia televisiva pública britânica.

O repórter da Sky News, que falou com várias pessoas no local que garantiram ter visto uma carrinha a acelerar direta e deliberadamente contra as pessoas que estavam no passeio, como se verifica no vídeo em baixo, teve dificuldades em conduzir a emissão em direito sem interrupções já que várias pessoas se insurgiram contra a forma como os meios de comunicação estavam a tratar o sucedido.

Uma mesquita a lutar contra o passado

Construida em 1988, com os seus quatro andares e uma das maiores áreas de oração de todo o país, a mesquita de Finsbury Park perfilou-se no céu do norte de Londres como um monumento à paz entre as religiões, da qual o Reino Unido sempre se orgulhou. Dez anos mais tarde fazia manchete por outras razões. As intervenções e sermões do seu principal imã, Abu Hamza, o temível clérigo com uma mão amputada, que substituiu por um gancho, e sem um olho, traziam para Londres ecos dos discursos dos líderes radicais da al-Qaeda.

Em 2004, sete anos depois de se ter tornado líder da mesquita, Hamza foi preso pela polícia britânica a pedido dos Estados Unidos, que o queriam julgar por incitação ao terrorismo mas foi mesmo no Reino Unido que enfrentou pela primeira vez os tribunais: 16 acusações, entre as quais incitação à violência e promoção de ódio inter-religioso. Em Outubro de 2012 foi finalmente extraditado para os Estados Unidos onde está preso sem possibilidade de liberdade condicional. É a ele que as autoridades atribuem a culpa da radicalização de Zacarias Moussaoui, uma das mentes por trás do 11 de setembro e Mohammed Sidique Khan, um dos quatro bombistas suicidas a fazer-se explodir nos ataques à rede de transportes públicos de Londres, em julho de 2005.

Hoje em dia, a mesquita é conhecida pelos seus esforços contra a radicalização dos jovens muçulmanos, sendo frequentemente visitada por líderes políticos e deputados e tendo anunciado também um programa especial de apoio aos membros da comunidade identificados como aqueles que mais poderão precisar de ajuda com a integração na sociedade britânica. É comum ver jovens à porta da mesquita a distribuir panfletos sobre as reuniões que ali se realizam periodicamente sobre assuntos tão variados como aceitação e integração de pessoas com deficiência, alterações climáticas ou saúde mental.

Os líderes muçulmanos londrinos têm condenado unanimemente todos os ataques perpetrados “em nome” do auto-proclamado Estado Islâmico e a comunidade muçulmana recusou-se recentemente a oferecer honras fúnebres aos três homens que atacaram a zona de London Bridge, no início de junho, matando oito pessoas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt