Logo Observador
Moda

“Buon compleanno”. Miguel Vieira celebra 30 anos de carreira em Milão

O criador português completa 30 anos de carreira no próximo ano, mas fez a festa em Milão, no último domingo, com muitos acessórios e peças leves para o próximo verão.

Miguel Vieira antecipou-se. O criador português completa 30 anos de carreira no próximo ano, mas começou a celebrar já neste domingo, ao apresentar a coleção “30 Th – Miguel Vieira Privte Collection”, num desfile, em Milão, com o apoio do Portugal Fashion.

Com os olhos postos na próxima primavera/verão, o criador não fugiu à sua paleta habitual. O preto e o branco serviram de base a outras pinceladas. O azul forte, o cor-de-rosa claro e os tons caril coloriram a passerelle da Fabrica del Vapore, numa coleção que apostou em força nos acessórios. Lenços grandes, tote bags, bolsas para iPad, cintos e ténis ganharam força com os estampados digitais que percorreram a passerelle. Na roupa, a diversidade não foi menor. Das peças de alfaiataria às t-shirts e blusas de mangas à cava, Miguel Vieira arriscou numa coleção mais leve e descontraída. As propostas apresentadas foram essencialmente para homem, mas o designer aproveitou o momento para mostrar algumas sugestões de moda feminina para a próxima estação quente.

Depois da estreia na Milano Moda Uomo, em janeiro, Miguel Vieira viajou pela segunda vez até à semana de moda masculina de Milão. Por estes dias, a cidade italiana vê desfilar marcas como Prada, Fendi e Giorgio Armani. A partir de quarta-feira, o cenário repete-se em Paris, onde vão marcar presença os designers portugueses Hugo Costa e Luís Carvalho. As atenções continuam a estar todas na moda masculina.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Justiça

Sexo forçado no tribunal

Luís Aguiar-Conraria

Não sei que idade têm os juízes, nem a juíza que votou favoravelmente este acórdão, mas, seja qual for a sua idade, envergonharam Portugal que foi, mais uma vez, e muito bem, condenado pelo TEDH.

Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres