Logo Observador
Prisão

EUA. Homem sai da prisão ao fim de 17 anos após ter sido encontrado sósia suspeito

Passou 17 anos preso por roubo. Foi libertado porque encontraram um sósia com o rosto muito parecido e o primeiro nome igual. O segundo suspeito não foi preso: não há provas físicas.

Richard à direita e o sósia, Ricky, à esquerda

Departamento de Polícia de Kansas

Um norte-americano preso há dezoito anos por roubo foi agora libertado depois de as autoridades terem encontrado o seu sósia. Richard Anthony Jones, que sempre se declarou inocente perante as acusações de roubo, foi solto porque nenhuma das testemunhas do crime conseguiam diferenciá-lo quando uma fotografia sua era colocada ao lado de uma imagem de Ricky, o segundo suspeito. Embora Richard tenha sido libertado, o juíz de Johnson (Kansas) não acusou Ricky, que também se declarou inocente, por falta de provas.

Richard à direita e o sósia, Ricky, à esquerda. Créditos: Departamento de Polícia de Kansas.

Richard Anthony Jones estava preso acusado de ter praticado um roubo em 1999. Passados dezasseis anos, investigadores do Projeto de Inocência — um grupo que procura pistas que provem a inocência de presos — encontrou um homem com o rosto extremamente parecido ao de Richard e que partilhava com ele o primeiro nome. Isso foi suficiente para convencer o juíz Kevin Moriarty a libertar Richard, que tinha sido acusado com base apenas em testemunhos oculares (que escolheram a foto de Richard entre outros que lhe foram apresentadas) e sem provas físicas nem análises de material genético.

Ricky, o sósia de Richard, não só era muito parecido a ele, como à época vivia perto do local do crime, um parque, o que aumentava ainda mais as suspeitas sobre ele. Richard sempre afirmou que, à hora do crime, estava em casa com a namorada e a família. Mas como também não há provas físicas nem testes de ADN que confirmem as suspeitas sobre Ricky, este ainda não foi detido.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt