Fundo Monetário Internacional

FMI estima inflação superior a 2000% na Venezuela em 2018

O FMI estima que a crise económica venezuelana se intensifique nos próximos meses e atinja o ponto mais crítico em 2018, quando a inflação seja superior a 2.000 por cento, segundo a imprensa local.

JIM LO SCALZO/EPA

Um responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a crise económica venezuelana se intensifique nos próximos meses e atinja o ponto mais crítico em 2018, quando a inflação seja superior a 2.000 por cento, segundo a imprensa local.

“A crise interna não poderá ser contida e terá impacto nos países vizinhos e na região”, explica o portal venezuelano La Patilla, citando uma advertência de um funcionário do FMI. A advertência teve lugar durante um fórum sobre perspetivas económicas para 2017, organizado em Trinidad & Tobago pelo banco central desse país e o FMI.

Segundo o FMI a Venezuela terminará 2017 com uma contração do PIB de 7,4%, completando quatro anos consecutivos de queda do PIB – 3.9% de queda em 2014, 6.2% em 2015 e uma quebra de 18% em 2016. Para 2018 o FMI estima que a recessão será de 4.1%.

Venezuela enfrenta a “mãe de todas as manifestações”

Quanto à inflação as projeções apontam que passará de três dígitos para hiperinflação, em 2018, passando de 720,5% em 2017 para 2.068,5 no próximo ano, o que representa “uma calamidade económica enorme”. Segundo o FMI “a pobreza atingiu 82% e a taxa de assassinatos está a aumentar” situação que está a obrigar os venezuelanos a emigrar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde da Mulher

Rastreios e outro direito a escolher

Maria João Marques

Concluímos que estas decisões existem para permitir que se gaste mais em salários no SNS. Menor controlo do cancro da mama pela melhor causa: o PS comprar uns tantos votos aos funcionários públicos.

Governo

Vítimas do seu sucesso?

Luís Aguiar-Conraria

Costa não está a ser vítima do seu sucesso: está a ser vítima da hipocrisia do seu discurso. O facto de o Governo não repor as carreiras é a demonstração de que os cortes na despesa foram necessários.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site