Angola

Ministro reúne-se com partidos para discutir segurança nas eleições angolanas

O ministro do Interior de Angola disse que está agendado um encontro para julho com os partidos políticos concorrentes às eleições gerais de 23 de agosto, para abordar questões de segurança.

Angola vai realizar eleições dentro de dois meses, e conta para o efeito com um número de 9.317.294 eleitores, segundo dados oficiais que o Ministério da Administração do Território entregou à Comissão Nacional Eleitoral

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ministro do Interior de Angola disse, esta segunda-feira, em Luanda que está agendado um encontro para julho com os partidos políticos concorrentes às eleições gerais de 23 de agosto, para abordar questões de segurança.

Ângelo Veiga Tavares reiterou a prontidão para o asseguramento das próximas eleições gerais, para que “seja um processo sem tumulto”.

“Somos eternos sacrificados, estamos sempre preparados para lutar nas dificuldades, temos inúmeras dificuldades e é do domínio geral, mas vamos dizer mais uma vez e já temos estado a reiterar que faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que esse processo seja um processo sem tumulto, um processo adequado”, disse.

O governante angolano apelou para o bom sucesso desse processo, o compromisso e envolvimento de todos os atores nestas eleições, nomeadamente cidadãos e partidos políticos.

“Naturalmente para isso não basta as nossas forças, é preciso que todos os entes envolvidos, nomeadamente o cidadão comum e os partidos políticos tenham o sentido de responsabilidade, é preciso ter bastantes cautelas nos discursos, é preciso colocar o país acima dos interesses dos partidos e mantermos essa paz que foi alcançada com muita dificuldade”, frisou.

Angola vai realizar eleições dentro de dois meses, e conta para o efeito com um número de 9.317.294 eleitores, segundo dados oficiais que o Ministério da Administração do Território entregou à Comissão Nacional Eleitoral.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

É tempo de um Ano Europeu do Silêncio

Timothy Garton Ash

As palavras ultrapassam sempre os atos na política, mas mais na UE do que em qualquer outro lado. Portanto, aqui vai uma proposta modesta: os nossos líderes devem declarar um Ano Europeu do Silêncio.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site