Logo Observador
Guiné-Bissau

Polícia Judiciária da Guiné-Bissau detém “Manecas” dos Santos

A Polícia Judiciária de Guiné-Bissau deteve esta segunda-feira "Manecas" dos Santos. O comandante guineense está envolvido na questão de um iminente golpe de Estado no país.

"Manecas" dos Santos está detido nas instalações da Polícia Judiciária no Bandim, em Bissau

José Goulao/LUSA

O comandante guineense Manuel “Manecas” dos Santos foi detido esta segunda-feira de manhã pela Polícia Judiciária na Guiné-Bissau, informou à agência Lusa fonte daquela força policial.

“Foi detido hoje cerca das 11h30 [12h30 em Lisboa], na clínica Madrugada, em Antula”, afirmou a PJ.

Segundo a mesma fonte, “Manecas” dos Santos está detido nas instalações da Polícia Judiciária no Bandim, em Bissau.

O veterano da luta armada pela independência da Guiné-Bissau tinha sido ouvido, há cerca de um mês, pelo Ministério Público, na capital guineense, para esclarecer as suas declarações sobre a iminência de um golpe de Estado no país.

Na ocasião, acompanhado do advogado e de alguns militantes do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), “Manecas” dos Santos disse ter reafirmado perante os magistrados o que é “apenas uma opinião”.

“O meu depoimento correu muito bem, eu reafirmei aquilo que tinha a reafirmar. Acabou aí”, afirmou “Manecas” dos Santos, que enalteceu a postura dos magistrados que o ouviram.

Em entrevista ao jornal português Diário de Noticias, no passado mês de abril, “Manecas” dos Santos defendeu ser possível que venha a acontecer um novo golpe militar na Guiné-Bissau devido à situação de impasse político que se vive no país há cerca de dois anos.

O advogado Carlos Pinto Pereira explicou, então, aos jornalistas que “Manecas” dos Santos foi ouvido na qualidade de denunciante e não de suspeito e que saiu do Ministério Público sem qualquer medida de coação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Uma nova Europa?

Diana Soller

A Europa, nos últimos anos, transformou-se. Os eleitores favorecem cada vez mais um tipo de candidatos que não pertencem bem ao sistema político tradicional, mas que também não estão fora dele.