Logo Observador
Filipinas

Filipinas. Apoiantes do Estado Islâmico ocupam escola e fazem alunos reféns

Cerca de 300 militantes aliados ao Estado Islâmico ocuparam esta quarta-feira uma escola no sul das Filipinas e fizeram dos alunos reféns.

A situação nas Filipinas agravou nos últimos dias depois da ocupação islâmica em Marawi, no sul do país

TED ALJIBE/AFP/Getty Images

As autoridades filipinas confirmam que rebeldes islâmicos estão em confronto direto com as forças armadas na cidade de Pigcawaya. O ataque pode ter como objetivo desviar as atenções dos militares que estão a libertar a cidade de Marawi, ocupada por apoiantes do Estado Islâmico (EI).

A confirmação oficial surge depois de cerca de 300 militantes terem ocupado uma escola na cidade, esta quarta-feira. Vários alunos estão a ser mantidos como reféns, confirma Realan Mammon, o responsável da polícia filipina, à Reuters. Não se sabem ao certo quantos.

Podemos confirmar que eles ocuparam a escola e que há civis presos. Estamos no processo de determinar quantas pessoas ao certo estão presas e as suas identidades.”

O mesmo oficial filipino avançou que os militantes islâmicos pertencem ao Movimento de Libertação Islâmico de Bangsamoro, um grupo aliado ao Estado Islâmico na região.

Esta situação soma-se a uma mão cheia de ataques terroristas levados a cabo não só nas Filipinas, mas em toda a região do Mar do Sul da China – todas elas reivindicadas pelo Estado Islâmico.

Pode consultar este artigo para compreender melhor os objetivos expansionistas do Daesh na região.

Que faz o Daesh no sul das Filipinas?

A mais significativa nos últimos tempos foi a ocupação, por um grupo jihadista, de Marawi, uma cidade maioritariamente muçulmana no sul do país, onde já morreram mais de 100 pessoas.

Estado Islâmico: 103 mortos e milhares de deslocados nas Filipinas

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Angola

Eu não voto em João Lourenço

José Milhazes

Acreditar na justiça social em Angola é o mesmo que acreditar no “conto de fadas” sobre a Isabelinha, que começou a vida a vender ovos e hoje é a mulher mais rica de África.