Logo Observador
Jornalismo

Observador ganha prémio de jornalismo Universidade Nova/Santander Totta

808

Pela terceira vez consecutiva, o Observador ganhou o prémio de jornalismo económico Universidade Nova/Santander Totta na categoria de Mercados Financeiros.

O Observador voltou a ser distinguido no Prémio de Jornalismo Económico Universidade Nova de Lisboa/Banco Santander Totta. Luís Rosa, redator principal do Observador, venceu na categoria “Mercados Financeiros” da 11.ª edição de um dos prémios de jornalismo mais prestigiados do país com o trabalho “Como Salgado usou o ‘saco azul’ para implementar um esquema de financiamento fraudulento do Grupo Espírito Santo”.

Como Salgado usou o ‘saco azul’ para implementar um esquema de financiamento fraudulento do GES

Trata-se da terceira vez consecutiva que o Observador vence a categoria “Mercados Financeiros”. Na edição do ano passado, Ana Pimentel ganhou com uma reportagem sobre “unicórnios: a bolha tecnológica está (prestes) a rebentar?”. A jornalista do Observador já tinha ganho na edição do ano anterior, em 2015, com o trabalho “Engenheiros, matemáticos, físicos. O dinheiro também está nas mãos deles”.

Na 11.ª edição do Prémio de Jornalismo Económico, o Grande Prémio foi para o jornalista Bruno Faria Lopes, da revista Sábado, com o trabalho “Crescer muito, perder muito, encolher muito. Como a Caixa queimou milhões em Espanha” que desenvolveu um trabalho de investigação sobre a operação da Caixa Geral de Depósitos em Espanha. Já na categoria “Sustentabilidade e Inovação Empresarial”, os vencedores foram os jornalistas Rui Barroso, Elisabete Miranda, Patrícia Abreu, Catarina Pereira e Paulo Moutinho com o trabalho “Gestoras da bolsa ganham menos 30% que os homens” — artigo que abordou a desigualdade salarial entre géneros no universo da gestão empresarial. O artigo foi publicado no Jornal de Negócios.

Os prémios foram entregues esta segunda-feira por António Rendas, Reitor da Universidade Nova, e António Vieira Monteiro, Presidente Executivo do Santander Totta, numa cerimónia que teve lugar na sede desta instituição financeira. O júri do concurso foi presidido por Francisco Caramelo (Diretor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), sendo composto por António Granado (professor FCSH/Nova), Conceição Zagalo (GRACE), Sérgio Figueiredo (Media Capital), Helena Garrido (colaboradora do Observador, Eco e RTP) e por Paulo Pinho (NOVASBE).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As vantagens dos incêndios

Miguel Tamen

A economia daquilo a que chamam tragédias é favorável à comunicação social. Enquanto nos períodos normais, vive de luzes e plumas que tem de pagar, nos desastres tudo é a baixo custo.

Democracia

A democracia vista por baixo

Rui Ramos

Elegemos representantes cujos primeiros compromissos não são com os cidadãos, mas com os caciques dos partidos. Vista de baixo, a democracia não é a participação de todos, mas a organização de alguns.