Logo Observador
Angola

UNITA acusa MPLA de receber financiamento externo nas eleições de 2012 em Angola

346

A UNITA, maior partido da oposição angolana, acusou o MPLA, força política no poder, de ter recebido 50 milhões de dólares da construtora brasileira Odebrecht, para financiamento da campanha de 2012.

ANTONIO COTRIM/Lusa***

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A UNITA, maior partido da oposição angolana, acusou hoje o MPLA, força política no poder, de ter beneficiado de 50 milhões de dólares (44,6 milhões de euros) da construtora brasileira Odebrecht, para financiamento da sua campanha eleitoral de 2012.

A acusação foi feita hoje pelo vice-presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Raul Danda, em conferência de imprensa, afirmando que a Odebrecht financiou a campanha do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) por via de pagamentos diretos e indiretos, classificando a operação como “ilegal, ilícita e opaca”.

De acordo com o dirigente da UNITA, os pagamentos ao MPLA eram efetuados por especialistas brasileiros, envolvendo também altas figuras, entretanto, detidas no Brasil, na sequência do crime de corrupção, que envolve a construtora Odebrecht e ainda o ex-Presidente do Brasil Lula da Silva.

“Naquela altura, o ex-Presidente brasileiro deslocou-se a Luanda, na companhia do então presidente da Odebrecht, Emílio Odebrecht. O Presidente (de Angola) José Eduardo dos Santos manifestou-lhes o seu interesse em contratar o publicitário João Santana, e os seus interlocutores prontificaram-se em contactar e persuadir o publicitário a fazer a campanha do MPLA”, disse.

Raul Danda referiu ainda que o publicitário brasileiro aceitou formalmente conduzir a campanha do MPLA, “acertando o custo do serviço, no valor de 50 milhões de dólares”, uma contratação que somente seria possível, realçou, “se o publicitário aceitasse receber o dinheiro da Odebrecht”.

Segundo o vice-presidente da UNITA, o MPLA celebrou na altura dois contratos: “o primeiro de 30 milhões de dólares (26,8 milhões de euros) com a empresa do publicitário e o segundo de 20 milhões de dólares (17,8 milhões de euros) entre a mulher do publicitário e responsável da Odebrecht Angola.

“Desse valor, 15 milhões de dólares (13,4 milhões de euros) foram pagos através de uma conta ‘offshore’ e cinco milhões (4,4 milhões de euros) foram entregues em espécie em Angola, através de um banco comercial”, acrescentou.

O candidato da UNITA a vice-Presidente da República de Angola às eleições gerais de 23 de agosto condenou a referida operação, considerando-a uma ilicitude eleitoral e um atentado à independência nacional, à unidade nacional e à democracia política do país.

Na conferência de imprensa, o político da UNITA acusou ainda o MPLA de alegada utilização abusiva de altas patentes das Forças Armadas Angolanas e da Polícia Nacional e ainda de meios logísticos pertencentes a estes órgãos de defesa e segurança na campanha de apresentação do seu candidato às eleições de agosto.

“Tais factos configuram uma violação ostensiva e recorrente da lei angolana, pois os militares e os polícias devem assumir-se como apartidárias e assegurar uma estrita fidelidade à Constituição da República de Angola e à lei”, observou.

O deputado também da UNITA apelou igualmente aos órgãos públicos de comunicação social para desempenharem o seu papel de modo construtivo ao invés de “serem meros objetos nas mãos de um poder que mostra não ter o mínimo respeito por eles”, rematou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt