YouTube

Grávida mata namorado enquanto gravavam vídeo para o YouTube

413

Uma rapariga de 19 anos matou o namorado, de 22 anos, durante as gravações de um vídeo de YouTube. Queriam simular uma situação de perigo, mas a rapariga disparou um tiro contra o peito do rapaz.

O casal tinha criado o canal em março deste ano para mostrar a verdadeira vida de um casal jovem que foi pai durante a adolescência

Monalisa Perez, de 19 anos, disparou uma arma contra o seu namorado, Pedro Ruiz, de 22 anos, que segurava um livro à frente do seu peito. O objetivo era que a bala ficasse presa nas páginas. Porém, a ideia correu mal. A bala atravessou o peito do rapaz, que acabou por morrer.

O casal, que já tem um filho de três anos e que estaria à espera de um segundo filho, queria gravar um vídeo perigoso para um canal de YouTube. Segundo a tia de Ruiz, citada pela BBC, eles queriam aumentar os seus seguidores nas redes sociais. Quase 30 subscritores viram a morte do rapaz em direto.

O canal tinha sido criado em março e tinha como objetivo “mostrar a vida real de um jovem casal que teve filhos durante a adolescência”.

A rapariga, proveniente do Minnesota, está a enfrentar acusações de homicídio em segundo grau e pode ser condenada a uma pena que pode atingir os 10 anos de prisão.

James Brue, procurador de County, descreveu o livro como uma “enciclopédia de capa dura” e que o tiro foi feito com uma pistola Desert Eagle de calibre 50 a uma distância de, aproximadamente, 30 centímetros. A polícia apreendeu as duas câmaras utilizadas para gravar o vídeo de YouTube.

Monalisa, grávida de sete meses, disse que ela inicialmente não queria fazer aquilo, mas que o seu namorado a tinha convencido a avançar com a ideia. “Eles estavam apaixonados, eles amavam-se um ao outro. Foi apenas uma partida que correu mal”, disse a tia de Ruiz em declarações à WDAY-TV.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Youtuboprah

Rui Maria Pêgo
728

Com as visualizações chegam marcas. Marcas que estão interessadas em chegar a quem? Adivinhou. A si. Mesmo que, demasiadas vezes, o conteúdo degenere numa total inconsequência.

Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus
258

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site