YouTube

Grávida mata namorado enquanto gravavam vídeo para o YouTube

413

Uma rapariga de 19 anos matou o namorado, de 22 anos, durante as gravações de um vídeo de YouTube. Queriam simular uma situação de perigo, mas a rapariga disparou um tiro contra o peito do rapaz.

O casal tinha criado o canal em março deste ano para mostrar a verdadeira vida de um casal jovem que foi pai durante a adolescência

Monalisa Perez, de 19 anos, disparou uma arma contra o seu namorado, Pedro Ruiz, de 22 anos, que segurava um livro à frente do seu peito. O objetivo era que a bala ficasse presa nas páginas. Porém, a ideia correu mal. A bala atravessou o peito do rapaz, que acabou por morrer.

O casal, que já tem um filho de três anos e que estaria à espera de um segundo filho, queria gravar um vídeo perigoso para um canal de YouTube. Segundo a tia de Ruiz, citada pela BBC, eles queriam aumentar os seus seguidores nas redes sociais. Quase 30 subscritores viram a morte do rapaz em direto.

O canal tinha sido criado em março e tinha como objetivo “mostrar a vida real de um jovem casal que teve filhos durante a adolescência”.

A rapariga, proveniente do Minnesota, está a enfrentar acusações de homicídio em segundo grau e pode ser condenada a uma pena que pode atingir os 10 anos de prisão.

James Brue, procurador de County, descreveu o livro como uma “enciclopédia de capa dura” e que o tiro foi feito com uma pistola Desert Eagle de calibre 50 a uma distância de, aproximadamente, 30 centímetros. A polícia apreendeu as duas câmaras utilizadas para gravar o vídeo de YouTube.

Monalisa, grávida de sete meses, disse que ela inicialmente não queria fazer aquilo, mas que o seu namorado a tinha convencido a avançar com a ideia. “Eles estavam apaixonados, eles amavam-se um ao outro. Foi apenas uma partida que correu mal”, disse a tia de Ruiz em declarações à WDAY-TV.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

O futuro do trabalho

Inês Santos Silva

Já há bots a resolver multas de trânsito, algoritmos a escolher tratamentos para cancro ou a selecionar profissionais. Próximas décadas serão desafiantes, mas há dois vetores a precisar de trabalho.

Internet

Mais solitários do que supomos

Laurinda Alves
241

Passamos a vida ligados e raramente nos conseguimos desligar. Temos muitas razões para isso e muitas delas extraordinariamente válidas, mas também sabemos que facilmente exageramos. Acontece a todos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site