Terrorismo

Ministro de Negócios Estrangeiros polaco ataca políticas migratórias europeias

Ministro dos Negócios Estrangeiros polaco diz que alguns países terão dificuldades em lidar com o terrorismo, porque "aceitaram grandes populações de países islâmicos que não conseguiram integrar".

Waszczykowski referiu-se às exigências de Bruxelas para que a Polónia receba uma parte dos imigrantes, na maioria provenientes do Médio Oriente e de África

ERDEM SAHIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Witold Waszczykowski, acredita que alguns países europeus terão dificuldades para enfrentar a ameaça do terrorismo jihadista, porque cometeram o erro de “aceitar grandes populações de países islâmicos que não conseguiram integrar”.

Falharam na integração de parte dos imigrantes devido ao politicamente correto. Além disso, deixou-se que se imponha o conceito da multiculturalidade e assumiu-se erradamente que uma grande imigração constitui uma espécie de tesouro”, explicou Waszczykowski numa entrevista à agência Efe.

Como exemplo, alertou para as “grandes populações” que vivem sem se integrarem na Alemanha, França e no Reino Unido, em muitos casos procedentes de antigas colónias e com o idioma do país.

Perante aquele “fracasso”, o ministro pergunta como se pretende que a Polónia tenha êxito na hora de integrar imigrantes que não falam polaco e nem sequer têm uma cultura similar.

Waszczykowski referiu-se às exigências de Bruxelas para que a Polónia aceite receber uma parte dos imigrantes, na maioria provenientes do Médio Oriente e de África, acolhidos em centros de refugiados de Itália e Grécia desde 2015.

Os chamados refugiados de Itália e da Grécia são 90% imigrantes económicos, que ainda por cima não querem vir para a Polónia”, sublinhou o ministro, que afirmou que o Governo polaco não tenciona “trazê-los à força”.

Waszczykowski sublinhou que apenas 5% dos acolhidos naqueles centros é proveniente da Síria, “segundo dados da Frontex”, pelo que só uma minoria pode pedir asilo.

A sociedade polaca, afirmou, “é muito homogénea, sem minorias” devido à limpeza étnica levada a cabo pelos nazis alemães e soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial, um facto que explica o “medo” de receber “imigrantes de outros continentes”, com “75% (da sociedade) contra, segundo as sondagens”.

O ministro referiu ainda que não se pode acusar a Polónia de não ser solidária, quando abriu as suas portas à emigração, que chegou nos últimos anos a fugir do conflito na Ucrânia.

“Em 2016 demos mais de 1,25 milhões de vistos para cidadãos ucranianos, a metade de todos os concedidos na Europa para esta nacionalidade, incluindo 650 mil com autorização para trabalhar”, explicou o ministro, que se questiona porque é que Bruxelas não tem também em conta os imigrantes do leste.

Segundo Waszczykowski, a “Polónia já não tem muita margem para aceitar mais imigrantes” porque o seu mercado não é capaz de gerar mais postos de trabalho.

A Comissão Europeia abriu um procedimento de infração contra a Polónia, a Hungria e a República Checa por não aceitarem a sua quota de refugiados de Itália e da Grécia, mas o ministro polaco recordou que outros países também não cumpriram, já que “até agora só foram reinstalados 20.000 emigrantes dos 160.000 que deviam ter sido”.

A Comissão Europeia “tem ambições políticas para controlar os países e isso não podemos consentir”, adiantou o ministro, que defendeu uma instituição mais técnica.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site