Livros

Três maneiras de escrever um diário

Ana Dias Ferreira escolhe a memória como tema principal para as leituras de verão. Com mais ou menos humor, mais ou menos verdade, sempre com sinceridade.

Maria Ribeiro

DR

Diário de um Zé-Ninguém
George e Weedon Grossmith
(Tinta da China)

Um homem de meia-idade resolve começar um diário para relatar o seu dia. Escreve sobre o que traz o correio, a camisa nova, o aumento no trabalho, o alpendre que precisa de ser arranjado. O que tem o seu diário de especial? Nada. Por isso se chama Diário de um Zé-Ninguém, por isso se afirmou como “o livro mais engraçado do mundo”, nas palavras de outro escritor que sabe manejar uma gargalhada (Evelyn Waugh), e por isso é o mais recente volume da coleção de literatura de humor coordenada por Ricardo Araújo Pereira. Uma sátira à classe média suburbana escrita na segunda metade do século XIX pela dupla de irmãos e humoristas George e Weedon Grossmith.

Debaixo da Pele
David Machado
(Dom Quixote)

David Machado é um contador de histórias, e desta vez brinda-nos não com uma mas com três, contadas por personagens diferentes, em diferentes épocas, com diferentes vozes. Todas acabam por se cruzar de alguma forma, numa elasticidade estilística e narrativa da qual só é capaz um escritor com músculo, e todas confluem para o mesmo tema: a violência doméstica e o trauma que fica no corpo (e não só no passado). Debaixo da Pele é uma espécie de reverso do romance anterior, sobre a felicidade e o futuro, mas continua à procura de entender aquilo que o autor encara como um super-poder que temos: a memória.

Trinta e Oito e Meio
Maria Ribeiro
(Tinta da China)

São crónicas sobre os trintas, a passagem do tempo, a maternidade mas também as camisas Comme des Garçons. Uma espécie de confissões pessoalíssimas de uma mulher que diz só saber viver intensamente, que gosta de Madonna e de “Girls”, de João Gilberto e de Roth, que perdeu o pai, que compra na Zara, que se divorciou e redescobriu o amor. Maria Ribeiro é atriz e ainda tem alguma dificuldade em dizer que é escritora sem achar que isso soa pretensioso. Neste seu livro publicado em setembro do ano passado acaba por ser, acima de tudo, malabarista: ao mesmo tempo melancólica e alegre, profunda e leve, comovente e irónica. O título remete para uma espécie de febre e é isso mesmo que Trinta e Oito Meio consegue ser.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site