Logo Observador
Woody Allen

Woody Allen volta esta terça ao Coliseu de Lisboa

O cineasta Woody Allen vai atuar esta terça no Coliseu dos Recreios com a New Orleans Jazz Band. "Utilizando um repertório de mil canções vai escolhendo os temas que se sente inspirado a tocar".

SEBASTIEN NOGIER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O cineasta Woody Allen vai atuar hoje no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, com a New Orleans Jazz Band. No concerto que assinala o regresso a Portugal do realizador enquanto músico, Woody Allen vai estar no clarinete, com Eddy Davis, no banjo, Conal Fowkes, no piano, Simon Wettenhall, no trompete, Jerry Zigmont, no trombone, John Gill, na bateria, e Greg Cohen, no baixo.

“Utilizando um repertório superior a 1.000 canções, Woody Allen vai escolhendo, durante o concerto, os temas que se sente inspirado a tocar, respeitando um atributo primordial do jazz que é o improviso. Com a ajuda de Eddy Davis, que toca banjo e é diretor musical da New Orleans Jazz Band, Woody Allen desafia o coletivo de músicos em palco e o público a acompanharem-no numa ‘jam’ digna de um club de jazz nova-iorquino – como o The Carlyle, em Manhattan, onde tocam, desde 1996”, pode ler-se no comunicado da promotora Sons em Trânsito.

A promotora recorda que a “música é um elemento constante na obra cinematográfica de Woody Allen, em particular o jazz, que o acompanha desde a infância”.

Woody Allen atuou com a New Orleans Jazz Band no Centro Cultural de Belém, também em Lisboa, em 2005, depois de, no ano anterior, ter marcado presença no Casino Estoril.

Mais conhecido pelo trabalho cinematográfico enquanto realizador e argumentista, pelo qual já venceu quatro Óscares, Woody Allen nasceu em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, em 1935, sendo responsável por obras marcantes do cinema do século XX como “Annie Hall”, “Manhattan”, “Interiors” ou “Zelig”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia.