Logo Observador
MPLA

MPLA vai convidar PS, PSD, PCP e CDS-PP para observarem eleições angolanas

O partido angolano MPLA pretende convidar representantes de quatro partidos portugueses como observadores às eleições gerais em Angola.

Não existe um número limite de convidados internacionais para o Presidente da República nem para a Comissão Nacional Eleitoral.

PAULO NOVAIS/EPA

O partido angolano MPLA pretende convidar representantes de quatro partidos portugueses como observadores às eleições gerais de 23 de agosto em Angola, segundo informação da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) a que a Lusa teve acesso esta quarta-feira.

Na lista do MPLA, no poder em Angola desde 1975, entregue à CNE figuram convites a dirigir a partidos como PS, PSD, PCP e CDS-PP, de Portugal, mas também ao PT, do Brasil, ao partido comunista chinês, ao PSOE, de Espanha, ao PAICV, de Cabo Verde, à FRELIMO, de Moçambique, à SWAPO, da Namíbia, e Internacional Socialista, entre outras forças políticas da República do Congo, do Vietname, do Zimbabué e da Suécia.

Já o Presidente da República, que pode indicar 12 entidades internacionais para a observação das eleições, pretende ter representantes da União Europeia, da União Africana, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Fazem parte da lista elaborada por José Eduardo dos Santos ainda os antigos presidentes de Timor-Leste, José Ramos Horta, de Moçambique, Joaquim Chissano, de Cabo Verde, Pedro Pires, de São Tomé e Príncipe, Manuel Pinto da Costa, do Gana, John Mohama, e da Namíbia, Lucas Pohamba, além do ex-primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves.

Já a Assembleia Nacional angolana indicou, através do seu presidente, Fernando da Piedade Dias dos Santos, representantes dos fóruns parlamentares da CPLP e da SADC, do Parlamento Europeu e da União Parlamentar Africana para observadores às eleições.

O maior partido da oposição, a UNITA, pretende convidar a Fundação Carter e Instituto NDI, dos Estados Unidos, e a Fundação Konrad Adenauer, da Alemanha.

Da lista da UNITA fazem parte ainda os partidos PRS, da Guiné-Bissau, RENAMO e Movimento Democrático de Moçambique, Movimento para a Libertação do Congo e o Partido Popular Espanhol, além do cidadão português António Vilar.

De acordo com a CNE, já este mês foi deliberado, em plenário daquele órgão, uma quota de 50 observadores internacionais para a Assembleia Nacional, de 24 para o Tribunal Constitucional e de 18 para as seis formações políticas concorrentes às eleições.

Assim, nos próximos dias, a Comissão Nacional Eleitoral, vai começar a endereçar convites as entidades propostas pela Assembleia Nacional e pelos partidos políticos MPLA e UNITA”, refere uma informação recente daquele órgão.

Acrescenta que nos termos da Lei de Observação Eleitoral, não existe um número limite de convidados internacionais para o Presidente da República nem para a Comissão Nacional Eleitoral.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt