Óbito

Isabel dos Santos recorda Américo Amorim, “grande capitão da indústria”

Empresária angolana e presidente da petrolífera Sonangol, Isabel dos Santos, recordou Américo Amorim, antigo parceiro em vários negócios em Portugal e Angola, como um "grande capitão da indústria".

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A empresária angolana e presidente da petrolífera Sonangol, Isabel dos Santos, recordou nesta quinta-feira Américo Amorim, antigo parceiro em vários negócios em Portugal e Angola, como um “grande capitão da indústria”. Numa mensagem colocada na sua conta pessoal na rede social Instagram, a filha do chefe de Estado angolano reconhece a “triste perda” pela morte, hoje, aos 82 anos, do empresário português Américo Amorim, ilustrando a mensagem com uma fotografia em que, além de ambos, surge ainda Fernando Teles, presidente do conselho de administração do BIC, banco lançado precisamente pelos dois empresários.

“Américo Amorim, um grande capitão da indústria, um homem com paixão pela criação de valor, riqueza, emprego e constante empreendedor de projetos”, escreveu Isabel dos Santos, considerada pela revista Forbes como a mulher mais rica de África. Acrescentou, sobre o empresário, com quem partilhou negócios na área da energia, cimentos e imobiliário, que “a sua vida marcou a economia de Portugal”.

O funeral do empresário Américo Amorim está agendado para sábado de manhã, no Mosteiro de Grijó, no concelho de Vila Nova de Gaia. Natural de Mozelos, em Santa Maria da Feira, Américo Ferreira de Amorim nasceu a 21 de julho de 1934 e cresceu numa família já ligada à indústria da cortiça.

Em 1952 assumiu a liderança da Corticeira Amorim, empresa determinante no grupo homónimo que mais tarde se transformou num dos maiores impérios industriais do país e se afirmou como líder destacado a nível mundial no setor da cortiça. Segundo a revista Forbes, Américo Amorim era ainda o homem mais rico de Portugal, sendo que a sua fortuna estava avaliada como superior a quatro mil milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site