Logo Observador
Brexit

Theresa May convida trabalhistas para comissão Brexit

Primeira-ministra britânica está a pensar convidar figuras do partido trabalhista, de Jeremy Corbyn, para uma plataforma que negoceie as condições da saída do Reino Unido da União Europeia.

ANDY RAIN/EPA

A primeira-ministra britânica, Theresa May, está a pensar convidar deputados do partido trabalhista, liderado por Jeremy Corbyn, para uma plataforma multipartidária que negoceie as condições da saída do Reino Unido da União Europeia. A notícia é do The Telegraph, que cita fontes de Downing Street, isto é, do Governo conservador.

A notícia do The Telegraph avança que May quer criar uma comissão para servir como um ministério-sombra, a acompanhar e colaborar com o trabalho do ministro do Brexit, David Davis. A intenção, contudo, é envolver nas negociações da saída da União Europeia o partido trabalhista.

Theresa May chamou Jeremy Corbyn para este processo porque, reconhece May, “esta é a realidade que, agora, eu enfrento enquanto primeira-ministra”. A líder conservadora refere-se ao facto de ter perdido a maioria que detinha no parlamento, herdada de David Cameron, nas eleições de 8 de junho, em que passou a precisar de um pequeno partido unionista irlandês para ter maioria parlamentar mas, mesmo assim, está numa posição muito frágil no parlamento.

Na terça-feira, Theresa May pediu aos partidos da oposição para “contribuírem, não criticarem apenas”. A primeira-ministra quer que os trabalhistas (e os outros partidos) ajudem a “clarificar e melhorar” as propostas políticas submetidas à Câmara dos Comuns.

O tiro de Theresa May saiu pela culatra

O jornal britânico já adianta que podem ser convidados deputados como Hilary Benn e Yvette Cooper.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
União Europeia

Não vai haver Brexit!

Paulo de Almeida Sande
315

Quando o tempo se esgotar sem acordo sobre o essencial, e dificilmente haverá um, podem os Estados-membros prorrogar o prazo negocial. Nesse cenário, a fragilidade de May será maior do que nunca.