Restaurantes

Caro leitor, vá pastar. No Cavalariça não é insulto, é recomendação

574

Bruno Caseiro e Filipa Gonçalves voltaram de Londres para tomar as rédeas do Cavalariça, na Comporta, com uma missão: usar os melhores produtos da zona num restaurante bem diferente dos que o rodeiam.

Autor
  • Tiago Pais

A carne chega de Grândola. Os vegetais de Melides. O peixe da Carrasqueira. As ostras do Sado. O requeijão de Alcácer. E as batatas do Carvalhal. Já Bruno Caseiro e Filipa Gonçalves chegam de Londres, onde passaram os últimos cinco anos. Pelo segundo verão consecutivo estão na Comporta — depois de uma primeira experiência, em 2016, no restaurante do hotel Sublime (que o Observador relatou aqui). A diferença? Finda a temporada não voltarão à capital britânica. “A ideia com que viemos foi a de abrir um espaço em Lisboa. Mas há uma hipótese de ficarmos aqui para lá da data prevista”, explica Bruno.

Essa data é 17 de setembro. Ou seja, o Cavalariça é um restaurante pop-up. Temporário, se preferir. As portas do espaço abriram-se para o casal pouco depois do regresso a Londres, no final do verão passado. “Recebemos um email do Christopher Morrell, que detém este espaço e que chegou até nós através de amigos em comum”, recorda Bruno. CJ, como lhe chamam — que entretanto se tornou sócio da dupla neste projeto — lançou-lhes um desafio: fazer algo completamente diferente de tudo o que existe na região. “Ele gostava que a Comporta tivesse um restaurante parecido com o que há em Londres, Paris ou qualquer grande cidade”, define Bruno.

Bruno e Filipa nem sempre estiveram ligados à cozinha. Ele foi psicólogo e ela designer durante vários anos. (foto: © Tiago Pais / Observador)

O pop-up começou a ser planeado quase de imediato. A parte de fazer diferente não assustava: Bruno e Filipa conheciam bem a maioria dos restaurantes das redondezas. Desenhar uma ementa de cariz internacional também não: tanto Bruno, chefe de cozinha, como Filipa, que é chefe pasteleira — embora aqui assuma o papel de gerente –, tinham experiência de sobra em Londres, sobretudo com o português Nuno Mendes (Chiltern’s Firehouse e Taberna do Mercado), e, mais recentemente, no restaurante Ours, de Tom Sellers, além de terem passado, em tempos, uns meses com Alex Atala no D.O.M, em São Paulo.

O verdadeiro desafio, neste caso, foi respeitar esse briefing usando os produtos locais. E é isso que torna o Cavalariça um projeto verdadeiramente interessante do ponto de vista gastronómico: “Os nossos únicos fornecedores que não são locais são mesmo de coisas que não conseguimos arranjar aqui, tipo um estabilizador de gelados que tem de vir de Lisboa”, assegura o chef.

A ementa é muito simples e divide-se em quatro secções: entradas — que vão de pequenos snacks a doses consideravelmente maiores –, pratos para partilhar entre 3 a 4 pessoas (só ao jantar), acompanhamentos e sobremesas, criadas por Filipa. Tudo com descrições concisas, sem grandes floreados ou malabarismos. Mesmo quando há muita técnica envolvida — e há, em vários casos –, ela não é enfatizada: trata-se apenas de um meio para chegar ao resultado final, o prato. Bruno justifica a opção: “Quisemos simplificar ao máximo, as pessoas estão de férias, não queremos que este seja um restaurante cerebral nem complicado.”

O restaurante abriu a 15 de junho e a ideia dos responsáveis é que se mantenha aberto até 17 de setembro. Mas há uma hipótese de continuar a existir para além do verão. “Temos de ver como e em que condições”, explica Bruno Caseiro. (foto: © Tiago Pais / Observador)

A dicotomia “produto típico versus prato nada típico” é evidente, por exemplo, numa das entradas, que junta alho francês, requeijão de Alcácer e pinhões (9€). É o prato “quilómetro zero”, como lhe chama Bruno, já que todos os elementos vêm das proximidades. Noutra, o crudo de peixe e sésamo (11€), as influências orientais saltam à vista e ao paladar: a couve portuguesa é tostada no carvão (à semelhança do que os japoneses fazem com a alga nori) antes de ser cortada em juliana e colocada sobre dourada apenas braseada, mergulhada no congee, um caldo asiático de arroz. Qual arroz? Da Comporta, claro. O choco (12€) também é servido frito, mas as semelhanças com a receita típica da região acabam aí: vem na base de uma salada bem recheada de coentros, canónigos, espinafre e amendoins, com um molho de malagueta doce caseiro, amendoim e um ovo a baixa temperatura.

Entre as opções mais substanciais, as tais que são sugeridas para grupos de 3 e 4 pessoas, há frango do campo ao sal (45€) — “um bicho enorme, com três quilos”, avisa Bruno –, costeleta de vaca maturada (78€/kg), polvo inteiro grelhado (49€) ou o peixe do dia (60€/kg). Se o mar estiver de feição, a grelha pode ainda receber uma lagosta inteira (100€/kg).

Os acompanhamentos pedem-se à parte. É nessa secção da carta que se encontram as batatas fritas (6€), merecedoras de um parágrafo próprio. Além de seguirem, na confeção, a técnica das três cozeduras, celebrizada por Heston Blumenthal, são posteriormente finalizadas com toucinho de porco preto curado e fumado no restaurante, que é ralado por cima das ditas. Como é que alguém se lembra disto? Palavra ao chef: “Queria fazer batatas fritas. Mas não queria fazer só batatas fritas. Então pensei: como é que se torna uma coisa que já é boa muito melhor? Com gordura de porco.” Faz sentido.

Aquele momento épico em que Bruno rala o toucinho curado sobre as batatas fritas da casa.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

As chips vão igualmente bem a acompanhar os cocktails da casa, criados por Fábio Nobre, barman que veio de Londres com Bruno e Filipa. Entre as suas criações de assinatura, destaque para o Cavalariça Sour, em que a Amarguinha e o Porto fazem as vezes do Pisco. A partir das 17h30, o bar do restaurante abre as portas para celebrar a Mosquito Hour, assim batizada em honra do famoso inseto, também ele típico desta região. Aos cocktails juntam-se, nessa ocasião, as ostras do Sado. “Decidimos dar este nome porque é a hora em que eles atacam mais”, justifica Filipa. Nada a temer, neste Cavalariça não faltam mosquiteiros. Nem boa cozinha.

Nome: Cavalariça
Morada: Rua do Secador, 9, Comporta
Telefone: 93 045 1879
Horário: Todos os dias, das 13h às 15h e das 19h30 às 23h (a partir das 17h30 servem cocktails e ostras). À segunda feira servem apenas jantares.
E-Mail: restaurante@cavalaricacomporta.com
Site: www.cavalaricacomporta.com
Preço Médio: 30€
Reservas: Aceitam

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

António Costa

O péssimo selvagem

Alberto Gonçalves

Numa única frase, o dr. Costa conseguiu incluir “tivemos”, do verbo “ter”, e “tive”, do verbo “tar”, sem perceber que um dos vocábulos apenas cabe nas sofisticadas conversas das altas esferas do PS.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site