Pixar

“À Procura de Nemo” tem um erro científico: Marlin deveria ser Marlene

311

Os peixes-palhaço macho mudam de sexo quando as as fêmeas morrem. Nesse sentido, o pai de Nemo, Marlin, deveria chamar-se Marlene, garantem especialistas franceses.

No filme, a mãe de Nemo morre para o proteger e o pequeno peixe-palhaço é criado pelo pai

Pixar

Um estudo de duas universidades de Paris garante que há um erro científico no guião de “À Procura de Nemo”. Estes investigadores estudaram durante anos o comportamento físico e hormonal dos peixes-palhaço — que vivem em climas tropicais — uma espécie em que os machos mudam de sexo quando abandonados pelas fêmeas.

Já se sabia que os peixes-palhaço machos são mais protetores dos que as fêmeas e são os responsáveis por proteger os ovos: o próprio filme retrata esse comportamento. Contudo, se as fêmeas morrerem, os machos automaticamente passam por uma fase de transformação que ocorre ao longo de várias semanas. No fim, mudam de sexo e assumem o comportamento “físico e hormonal” das fêmeas.

Quando a fêmea é comida por predadores ou morre, o macho, neste caso o pai de Nemo, muda de sexo e torna-se uma fêmea reprodutora. Ou seja, quando o Nemo regressa finalmente a casa no final do filme,ele está a encontrar-se com a sua mãe”, garante Suzanne Mills, bióloga na École Pratique des Hautes Etudes em Criobe.

O pai de Nemo deveria ter passado por esta transformação uma vez que a mãe de Nemo morre atacada por um predador. Marlin deveria ter-se transformado em Marlene, explica o Daily Mail.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site