Logo Observador
Pixar

“À Procura de Nemo” tem um erro científico: Marlin deveria ser Marlene

311

Os peixes-palhaço macho mudam de sexo quando as as fêmeas morrem. Nesse sentido, o pai de Nemo, Marlin, deveria chamar-se Marlene, garantem especialistas franceses.

No filme, a mãe de Nemo morre para o proteger e o pequeno peixe-palhaço é criado pelo pai

Pixar

Um estudo de duas universidades de Paris garante que há um erro científico no guião de “À Procura de Nemo”. Estes investigadores estudaram durante anos o comportamento físico e hormonal dos peixes-palhaço — que vivem em climas tropicais — uma espécie em que os machos mudam de sexo quando abandonados pelas fêmeas.

Já se sabia que os peixes-palhaço machos são mais protetores dos que as fêmeas e são os responsáveis por proteger os ovos: o próprio filme retrata esse comportamento. Contudo, se as fêmeas morrerem, os machos automaticamente passam por uma fase de transformação que ocorre ao longo de várias semanas. No fim, mudam de sexo e assumem o comportamento “físico e hormonal” das fêmeas.

Quando a fêmea é comida por predadores ou morre, o macho, neste caso o pai de Nemo, muda de sexo e torna-se uma fêmea reprodutora. Ou seja, quando o Nemo regressa finalmente a casa no final do filme,ele está a encontrar-se com a sua mãe”, garante Suzanne Mills, bióloga na École Pratique des Hautes Etudes em Criobe.

O pai de Nemo deveria ter passado por esta transformação uma vez que a mãe de Nemo morre atacada por um predador. Marlin deveria ter-se transformado em Marlene, explica o Daily Mail.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres

Justiça

Sexo forçado no tribunal

Luís Aguiar-Conraria

Não sei que idade têm os juízes, nem a juíza que votou favoravelmente este acórdão, mas, seja qual for a sua idade, envergonharam Portugal que foi, mais uma vez, e muito bem, condenado pelo TEDH.