Logo Observador
Animais

Corvos são mais perspicazes do que crianças de quatro anos, sugere estudo

267

A inteligência e perspicácia dos corvos tem impressionado a comunidade científica. Um último estudo revela que esta espécie consegue antecipar situações e até ser "gananciosa".

Os testes mostraram capacidades semelhantes ou superiores à de grandes símios e inclusivamente superior a crianças de quatro anos

Wikimedia Commons

Há uma espécie que tem estado a despertar a curiosidade da comunidade científica: a inteligência dos corvos. Um estudo publicado pela revista Science mostra que os corvos são capazes de resolver problemas de lógica. A perspicácia desta espécie vai ainda mais longe: os corvos mostraram que são capazes de abdicar de uma recompensa imediata se conseguirem chegar a outra melhor no futuro. Essa capacidade de planificação, de antecipação do acontecimento e de resistir à tentação com vista a um objetivo maior demonstram qualidades cognitivas de alto nível.

Outras experiências mostraram capacidades semelhantes ou superiores à de grandes símios e inclusivamente superior às de crianças de quatro anos.

Os investigadores da Universidade de Lund, na Suécia, submeteram os corvos a uma série de experiências. Primeiro, ensinaram-lhes a usar uma caixa quebra-cabeças que exigia uma certa habilidade para descobrir o mecanismo que permitia alcançar o prémio, usando uma ferramenta.

Depois atrasaram por 15 minutos a chegada da mesma caixa, depois de os deixar escolher a ferramenta. O que mostrou que são capazes de antecipar. Outro facto impressionante revelou-se ainda com a capacidade que os corvos tiveram de manter essa capacidade de previsão até ao dia seguinte para abrir a caixa com a ferramenta adequada.

Diz ainda o estudo que foi interessante perceber o que sucedeu quando ensinaram os corvos a conseguir a ferramenta ou o prémio mediante uma troca. Eram-lhes oferecidos diferentes objetos, entre eles uma ficha que sabiam que podiam trocar por um pequeno prémio. Sempre que se apresentava a ficha, os corvos escolhiam-na para obter um pequeno prémio de imediato. Quando lhes era oferecido à vez a ficha ou a ferramenta com que podiam abrir depois a caixa, com um prémio maior, os corvos não hesitaram: em todas as ocasiões, escolheram esperar e conseguir mais tarde uma recompensa melhor.

O vídeo do El País exemplifica bem o tipo de desafios quem foram colocados a estes corvos.

“Ao planificar estudos como este, o primeiro teste é muito importante já que o êxito no primeiro teste é explicado por uma simples formação de hábitos”, disse Can Kabadayi, principal autor do estudo.

Os cientistas avançaram ainda para o estudo do cérebro desta aves. “Os corvos são tão inteligentes, provavelmente por causa de uma combinação de vários fatores, como o seu grande cérebro com muitos neurónios, um ambiente social complexo e umas condições ambientais que lhes podem ter adquirido habilidades cognitivas completas, como a necessidade de encontrar fontes de alimento separadas”, explica o investigador.

No mês passado, um outro estudo provou que os corvos eram capazes de se lembrar da cara de uma pessoa que as tivesse enganado durante um mês.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt