Angola

Funcionários do Tribunal Supremo de Angola suspendem segunda fase da greve

Os funcionários do Tribunal Supremo de Angola decidiram suspender a segunda fase da greve prevista de 17 a 21 de julho, no âmbito das negociações que decorrem com a entidade patronal.

Progressão nas carreiras e formação são outros pontos que constam do caderno reivindicativo remetido à direção do Tribunal Supremo de Angola

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os funcionários do Tribunal Supremo de Angola decidiram suspender a segunda fase da greve prevista de 17 a 21 de julho, no âmbito das negociações que decorrem com a entidade patronal, informaram esta segunda-feira os grevistas.

A informação consta de uma nota enviada hoje à agência Lusa, em que os delegados de greve assinalam que as negociações com a comissão criada pelo Tribunal Supremo devem decorrer no período de “um mês” findo o qual “a greve já declarada e suspensa pode voltar ou não”.

Depois de passar aquele período de greve, não retomamos hoje como estava programado, porque estamos em período de negociação, que teve início há uma semana. Demos um período de vigência de um mês durante o qual iremos trocar propostas até chegarmos a um meio-termo”, lê-se no documento.

O documento, que não pormenoriza os termos da negociação, sublinha ainda “a abertura que já existe para o diálogo entre a comissão constituída e os delegados de greve”, acrescentando que “tudo está a depender das negociações em curso”.

A primeira fase da greve geral do Tribunal Supremo de Angola decorreu de 3 a 7 de julho em protesto para a reposição dos direitos de alimentação, saúde e ainda a implementação da resolução 1/16, que equipara o salário do Supremo aos tribunais superiores do país.

Na semana passada, um dos delegados de greve referiu que a reposição dos direitos de saúde e alimentação continuava a opor funcionários e a comissão negocial, que pretendia apenas repor um desses direitos.

Já no quadro das negociações, segundo a fonte, a comissão negocial garantiu a efetivação da resolução n.º 1/16 de 01 de junho, que equipara o salário do Supremo aos tribunais superiores do país, até ao primeiro trimestre de 2018.

Progressão nas carreiras e formação são outros pontos que constam do caderno reivindicativo remetido à direção do Tribunal Supremo de Angola.

Antes mesmo do arranque da primeira fase da greve, os funcionários denunciaram à Lusa alegadas “intimidações e pressões políticas”, tendo então apelado à intervenção do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, na resolução do diferendo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site