Logo Observador
Passadeira Vermelha

“Guerra dos Tronos”: a passadeira vermelha fica-lhes tão bem

As espadas ficaram para trás e deram lugar a smokings e vestidos curtos. A horas da estreia nacional da nova temporada de "A Guerra dos Tronos" veja como eles e elas brilham na passadeira vermelha.

É capaz de ser difícil imaginá-los de smoking e de cabelo arranjado, tal como deve ser complicado imaginá-las de vestidos curtos e modernos. Os atores e as atrizes da série “A Guerra dos Tronos” são pessoas do nosso tempo, embora seja, por estes dias, difícil distanciá-los dos cenários de guerra e de manhas políticas a que já nos habituaram. Nem de propósito, uma grande parte do elenco da série que já vai na sétima temporada — e cuja estreia nacional acontece esta noite — desfilou na passadeira vermelha na última quarta-feira, dia 12.

Se Sansa (Sophie Turner) deixou de lado os trajes compridos para, agora, desfilar num vestido curtíssimo e cintilante, Arya (Maisie Williams) deu uma volta de 180 graus — para trás ficaram as roupas masculinas que ajudam a caracterizar a personagem, que deram lugar a um vestido verde e fluído, bem feminino. A transformação aplica-se de igual modo aos homens que, na passada quarta-feira, deixaram as armas em casa, incluindo o muito popular Jon Snow (Kit Harington).

As atrizes Emilia Clarke (Daenerys Targaryen) e Lena Headey (Cersei Lannister) não estiveram presentes no evento, mas já antes deixaram o público de boca aberta com as escolhas dignas de uma passadeira vermelha. E porque a série fica em desfalque sem a sua participação, aqui fica uma curta fotogaleria dos trajes modernos e elegantes de duas atrizes indispensáveis.

Setembro de 2016

Alberto E. Rodriguez/Getty Images

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
128

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Educação

O Filipa e a escola pública

Maria José Melo

Portugal só será realmente um país civilizado quando existir consciência cívica por parte de todos os cidadãos. Foi esta visão que adquiri no Liceu D. Filipa de Lencastre e me acompanhou toda a vida.