Fogo de Pedrógão Grande

Pedrógão Grande. Familiares das vítimas criam associação para prestar apoio jurídico e social

Amigos e familiares das vítimas mortais do incêndio de Pedrógão Grande anunciaram a constituição de uma associação para prestar apoio social, jurídico e técnico às vítimas.

A associação pretende ainda

PAULO NOVAIS/LUSA

Amigos e familiares das vítimas mortais do incêndio de Pedrógão Grande anunciaram esta segunda-feira a constituição de uma associação para acompanhar o apuramento de responsabilidades e prestar apoio social, jurídico e técnico às vítimas.

Em comunicado enviado à agência Lusa esta segunda-feira, o movimento explica que a associação, cuja criação foi decidida no domingo, “pretende acompanhar os trabalhos de apuramento das responsabilidades naquela que foi considerada a maior tragédia nacional em matéria de fogos florestais, em termos de poder de destruição e de vítimas mortais”.

O documento adianta que se pretende prestar apoio social, jurídico e técnico às vítimas, formar a população em medidas de autoproteção contra incêndios florestais, entre outras medidas, bem como prestar uma homenagem aos mortos com a construção de um memorial.

A futura Associação dos Familiares das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande defende que a versão oficial dos acontecimentos “deve ter em linha de conta a versão das verdadeiras vítimas da tragédia, não permitindo assim que a versão institucional seja a única versão e dita como oficial”.

A partir do apuramento da verdade dos factos, da discussão e aprovação da nova estratégia para a floresta, da defesa de pessoas e bens e para a reconstrução da região afetada, a mudança de mentalidades e a assunção do compromisso firme por parte das autoridades é uma meta a que a Associação dos Familiares das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande se propõe alcançar”, sublinha.

O encontro de domingo contou com a presença de José Manuel Mendes, coordenador do Observatório do Risco (OSIRIS), do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, e de Pedro Araújo, investigador do OSIRIS e autor da obra “Compaixão, Expiação e Indiferença do Estado – Notas sobre a tragédia de Entre-os-Rios”.

Esteve ainda presente Domingos Xavier Viegas, coordenador do Centro de Estudos sobre os Incêndios Florestais da ADAI, responsável pela elaboração do Relatório Oficial sobre o comportamento do incêndio florestal que deflagrou no dia 17, no qual morreram 64 pessoas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Rescaldo de um verão muito quente

André Ribeiro da Cunha

Uma descoordenação inacreditável entre as entidades responsáveis, dezenas de armas desaparecidas, e tudo não foi mais do que uma série de eventos desafortunados num Verão especialmente quente. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site