Logo Observador
Transportes

Startup japonesa quer colocar um carro no ar em três anos

Uma equipa japonesa pretende estrear um carro voador nos Jogos Olímpicos de 2020, dentro de três anos, e já conta com o apoio da Toyota. Qual é o panorama dos automóveis voadores?

Um modelo de escala já foi apresentado e testado e a empresa aponta para ter um protótipo no ar já no próximo verão

CARTIVATOR/FACEBOOK

Falar de carros voadores parece coisa de ficção científica. Até há relativamente pouco tempo os únicos casos de sucesso não saíam do grande ecrã, desde o mítico DeLorean da saga “Regresso ao Futuro” ao Ford Anglia de “Harry Potter”. Mas sem um “Doc Brown” e sem dotes mágicos, como é que se mantém um carro no ar?

A resposta a esta pergunta depende da pessoa ou empresa a quem a fazemos: a Uber aposta em parcerias com a NASA e com a Administração Federal de Aviação (norte-americana) para regulamentar o serviço antes de o poder testar; os chineses da Ehang concentram os esforços na sustentabilidade e a Airbus acredita que a solução está na construção em módulos. Mas os japoneses da Cartivator estão focados numa meta: 2020, a coincidir com os Jogos Olímpicos de Tóquio.

A startup está empenhada em colocar um modelo do seu SkyDrive no ar a tempo de acender a tocha olímpica e, para isso, já conta com o apoio da Toyota: a gigante automóvel investiu 40 milhões de ienes (cerca de 340 mil euros) no projeto.

A Cartivator foi lançada em 2012 e apesar de não receber qualquer apoio estatal, o suporte financeiro não preocupa a startup, já que a esmagadora maioria das suas receitas é proveniente de crowdfunding.

O SkyDrive utiliza a mesma tecnologia de um drone e será capaz de voar a 10 metros de altitude e de atingir os 100 quilómetros por hora. A ser fabricado, será o carro voador mais pequeno do mundo (mais pequeno do que um Smart): com apenas 2,50 metros de comprimento, 1,30 metros de largura e 1,10 metros de altura e só poderá transportar um passageiro.

Um modelo de escala já foi testado com sucesso e seguem-se os testes com um protótipo de tamanho real, agendados para o verão de 2018. De acordo com o calendário da Cartivator o primeiro voo será feito nos Jogos Olímpicos e o primeiro modelo comercial será lançado em 2025.

Carros voadores? A Uber quer testá-los até 2020

Se nos anos 60 a corrida era ao espaço, agora é à baixa altitude – e a concorrência é renhida. A Uber já revelou os planos de estrear o seu serviço Uber Elevate na Expo 2020. A feira mundial realiza-se no Dubai que está na linha da frente no que aos carros voadores diz respeito: os drones de passageiros Ehang 184 já podem ser vistos em voos de testes nas dunas da cidade. Já a Airbus tem trabalhado em dois modelos: de um e quatro passageiros a serem testados no final deste ano e em 2018, respetivamente.

Mas todas estas empresas têm um desafio: conseguir que um serviço de carros voadores seja devidamente regulamentado a tempo.

Apesar do prazo renhido, o Japão tem histórico de ser o primeiro em termos de meios de transporte inovadores: lançou o primeiro comboio de alta velocidade em 1964 e em 2016 implementou o comboio Maglev (que atinge os 603 km/h só com recurso a ímanes). Da mesma forma, o governo espera tornar Tóquio a primeira cidade onde os automóveis são todos autónomos. Quando? Em 2020, claro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minorias

O machismo militante da histeria anti xenofobia

Maria João Marques

Os que gritam xenofobia perante a mais leve crítica a certas comunidades onde os maus tratos a mulheres são inerentes à cultura que tanto defendem, fizeram a sua escolha: apoiar a opressão de mulheres

Justiça

Sexo forçado no tribunal

Luís Aguiar-Conraria

Não sei que idade têm os juízes, nem a juíza que votou favoravelmente este acórdão, mas, seja qual for a sua idade, envergonharam Portugal que foi, mais uma vez, e muito bem, condenado pelo TEDH.