Sines

Sines pode ser um “hub energético na área do gás”, defende secretário de Estado da Energia

119

O secretário de Estado da Energia defendeu que Sines "fazia todo o sentido como um 'hub' energético na área do gás" e que para o potencializar são necessárias "infraestruturas".

O terminal de GNL recebeu este ano, até ao mês de julho, "cerca de 24 a 25" navios de gás natural

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, defendeu esta segunda-feira que Sines “fazia todo o sentido como um ‘hub’ (polo) energético na área do gás” e que para o potencializar são necessárias “infraestruturas”, como as “interligações” à Europa.

“O porto [de Sines], de águas profundas, e que aliás é aquele porto que está mais a Ocidente na Europa, tem um grande potencial para, investindo em infraestruturas, nós podermos exportar para outros países”, disse esta segunda-feira, em declarações à agência Lusa Jorge Seguro Sanches, após uma visita ao terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) do porto alentejano.

O governante aproveitou para recordar que a primeira intervenção pública que fez na área da energia “foi quando disse que Sines fazia todo o sentido como um hub energético na área do gás”. “Isso faz todo sentido”, reiterou, defendendo que o terminal portuário, gerido pela REN (Redes Energéticas de Nacionais), poderia, dessa forma, “vir a dar segurança do abastecimento a outros países” da Europa.

Para isso, faltam no entanto criar “interligações” entre os países da União Europeia, algo que tem sido defendido pelo Governo português, segundo fez questão de dizer Jorge Seguro Sanches, referindo-se não só ao gás, mas também à eletricidade.

Entendemos que é assim que se constrói uma união da energia e que é assim que, numa europa que todos queremos que seja de livre circulação de pessoas, de capitais e mercadorias, também seja de energia”, afirmou, argumentando ainda que a criação dessas infraestruturas podem também contribuir para uma maior competitividade no mercado energético.

Lembrando que esta segunda-feira esteve numa conferência, no Porto, em que participou o vice-presidente da Comissão Europeia, o governante lembrou que está a ser discutido na União Europeia “um pacote legislativo muito importante sobre a energia”, que é defendido pelo Governo. “Portugal considera que todo ele faz sentido”, disse, falando de “objetivos importantes que têm a ver com as interligações elétricas entre os países, ou seja, que os países possam entre eles produzir e vender energia e possam comprá-la mais barata”.

O governante falava, em declarações à agência Lusa, no final de uma visita à infraestrutura portuária alentejana, em que acompanhou o seu homólogo alemão, Rainer Baake, a quem Jorge Seguro Sanches pretendeu evidenciar que o terminal de GNL de Sines “pode vir a dar segurança do abastecimento a outros países”.

Para o secretário de Estado da Energia da Alemanha, também defensor da criação de mais interligações energéticas entre os países europeus, a diversificação de “alternativas” de abastecimento “é bom para acrescentar mais segurança no fornecimento de energia ao país”, podendo também “ter um bom efeito no preço”.

Na visita ao terminal de GNL do porto de Sines participou, além do governante alemão, a diretora de Energias Renováveis do Ministério da Energia de Marrocos, Zohra Ettaik, e o presidente da REN, Rodrigo Costa. O terminal de GNL recebeu este ano, até ao mês de julho, “cerca de 24 a 25” navios de gás natural, segundo avançou Rodrigo Costa, indicando que igualou, em pouco mais de seis meses, o total de 2016.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Salvar o SNS

Fernando Leal da Costa
104

A proposta de lei de António Arnaut e João Semedo cristaliza o financiamento do SNS e do direito à proteção de saúde num modelo que já está falido e não consegue deixar de ser sub-financiado.

Presidente Trump

As semelhanças entre Obama e Trump

João Marques de Almeida

A eleição de Trump foi a derrota das elites bem pensantes e do establishment dos media, que prefere escrever para os seus egos e os seus pares em vez de tentar entender o que se está a passar nos EUA.

Vladimir Putin

Síria: não há forma de lavar a hipocrisia 

José Milhazes

Lavrov apoiou a acção turca porque os ataques visam curdos e outras forças sírias apoiadas pelos EUA. Não é difícil imaginar o regozijo reinante no Kremlin face à luta entre parceiros da NATO na Síria

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site