Sexo

Cap D’Agde: “A capital do sexo em público” é mesmo aqui ao lado

6.004

Estar na praia e ter um casal a ter relações sexuais ao lado é normal neste complexo turístico para nudistas no sul de França. Fique a conhecer Cap D'Agde.

AFP/Getty Images

Pessoas totalmente nuas pelas ruas. Orgias na praia. Bacanais nas discotecas. Tudo à frente de outras pessoas. Esta será a melhor forma de resumir o que se passa em Cap D’Agde, a “capital mundial do sexo em público”. Quem assim batizou o local foi um jornalista do El Español que, quase que infiltrado, esteve neste complexo turístico no sul de França — bem perto da fronteira com Espanha — e testemunhou com os seus próprios olhos o que se passa na “Sodoma e Gomorra do século XXI”.

Todos os verões, Cap D’Agde recebe 40 mil turistas, a maioria franceses, belgas, alemães e holandeses com cinquenta anos ou mais, com um só propósito: sexo. Vá, dois propósitos: fazer nudismo e ter sexo.

Mas nem sempre foi assim. Nos 50, Cap D’Agde era um vila piscatória e ninguém andava nu. Foi nos anos 60, com a construção de resorts, que o turismo se começou a desenvolver na localidade. Do turismo ao nudismo, foi um instante.

Hoje em dia, além de nudismo, o que se vê é sexo. Exceto na povoação. É o único local onde não se pode ter relações sexuais em público, mas por lá também ninguém anda com roupa durante o dia — nem nas idas ao supermercado ou à fármacia.

Uma nota: Cap D’Agde tem um doce típico, de nome Zizi, muito semelhante aos doces das Caldas da Rainha. Sim, daqueles que são um órgão sexual masculino.

Na praia é comum assistir-se a cenas de sexo. Há uma parte do areal (a maior) que se destina a famílias de nudistas — crianças incluídas. Depois há a Baía dos Porcos (sim, o nome é igual à de Cuba) para os swingers (casais que trocam de parceiros) onde é proibida a entrada de menores. Por último, uma zona mais pequena é reservada aos casais homossexuais.

É nestes dois últimos locais que “a ação acontece”. Casais a terem relações sexuais à frente de outros é o normal, mas ninguém fica indiferente. Estas cenas têm sempre espectadores-participantes, isto é, pessoas que se levantam das suas toalhas para se aproximarem e verem de perto a cena. Há casais que enquanto estão a fazer sexo incentivam o público a participar, em conjunto ou a sós.

Aparentemente, só há uma coisa que é proibida: tirar fotografias ou filmar estas cenas. Quem se atrever a tirar o telemóvel para fazê-lo é imediatamente repreendido por quem quer que esteja à volta.

PASCAL GUYOT/AFP/Getty Images

Com o cair da noite, a festa intensifica-se. Mas é nesta altura que os turistas andam mais vestidos. Aliás, é obrigatório os homens estarem bem apresentados para entrar nas discotecas: calças e camisas são um requisito obrigatório. Já as mulheres, de acordo com o testemunho do jornalista espanhol, são bastante mais arrojadas na sua escolha de vestuário

O epicentro da noite é na discoteca Le Glamour, a maior da povoação. Aqui o telemóvel é proibido, mas o sexo em público não. Pode ser praticado em várias divisões do sótão do espaço, que vão desde quartos, a masmorras e gloryholes — quartos ou casas de banho cujas paredes têm buracos nas paredes através dos quais se tem relações sexuais ou se assiste a cenas de sexo.

À semelhança do que acontece na praia, o espaço está dividido: um lado é para os solteiros — que recebem uma pulseira verde à entrada — e para os trios, o outro para as mulheres e os casais.

ANDRE FERNANDEZ/AFP/Getty Images

Os solteiros não podem ‘ultrapassar a fronteira’ e ir para outra divisão. O jornalista espanhol, aliás, ressalva que as pessoas que vão sozinhas para Cap D’Agde são aquelas que têm “menos sorte”. Isto é, os solteiros não são bem vistos pelos casais e acabam por ter menos relações sexuais.

Mas ir para este destino não é barato. Para além de ter de se pagar uma taxa de 45 euros para se entrar na cidade — oito euros se se for a pé ou 18 euros para se entrar com o carro — o alojamento, a comida, as bebidas e as compras são caros. Só a entrada na discoteca não custa menos de 60 euros — 90 para os solteiros.

E todas as pessoas são obrigadas a mostrar o bilhete de identidade à entrada da povoação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assédio Sexual

O sexo politicamente incorrecto

Rui Ramos
375

O alegado comportamento de Harvey Weinstein e Kevin Spacey só é possível numa cultura onde o assédio sexual pôde passar por um “pecadilho” menor. E a chamada "libertação sexual" contribuiu para isso. 

Crónica

Meus pais e seus aparelhos eletrônicos

Ruth Manus

Parece que todos os aparelhos eletrônicos que os meus pais compram foram vítimas de algum tipo de maldição que tornou seu funcionamento algo absolutamente anormal. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site