Logo Observador
Coreia do Norte

Coreia do Norte prepara novo teste de míssil, diz Pentágono

O Pentágono detetou sinais de que a Coreia do Norte está a preparar um novo teste com mísseis, disse um responsável da Defesa norte-americana, sob condição de anonimato.

A agência sul-coreana Yonhap informou na terça-feira que Seul detetou sinais de preparativos para um lançamento de míssil norte-coreano

HOW HWEE YOUNG/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Pentágono detetou sinais de que a Coreia do Norte está a preparar um novo teste com mísseis, disse um responsável da Defesa norte-americana à agência AFP.

Sob condição de anonimato, o responsável indicou que se este teste realmente se efetuar, será “provavelmente” na quinta-feira, 27 de julho, data do 64.º aniversário do armistício que pôs fim à guerra da Coreia. Esta data é celebrada todos os anos na Coreia do Norte onde é apelidada de Dia da Vitória.

Segundo o responsável, o teste deve envolver ou um míssil de alcance médio, ou um míssil balístico intercontinental (ICBM), KN-20 ou Hwasong-14.

No caso do lançamento de um míssil intercontinental, seria a segunda vez que a Coreia do Norte testa um ICBM, após o lançamento de 4 de julho. Especialistas estimam que este míssil tenha capacidade suficiente para atingir o Alasca.

A Coreia do Norte deseja desenvolver um míssil capaz de transportar uma ogiva nuclear até ao território continental dos Estados Unidos. O lançamento de 04 de julho, efetuado no dia nacional norte-americano, representa um desafio para o Presidente Donald Trump.

A agência sul-coreana Yonhap informou na terça-feira que Seul detetou sinais de preparativos para um lançamento de míssil norte-coreano.

Há uma possibilidade muito forte de o Norte efetuar [um teste] perto do dia do armistício, 27 de julho”, disse à Yonhap uma fonte do Governo sul-coreano.

De acordo com esta fonte, “movimentos de veículos que transportam os tubos de lançamento [de mísseis] foram observados de forma contínua na província de Pyongan do Norte”.

“Estão a preparar qualquer coisa”, disse à AFP um segundo responsável norte-americano, referindo-se aos norte-coreanos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt