Brexit

Período de transição do Brexit deve terminar em 2022

O ministro britânico da Economia disse que o período de transição entre a saída do Reino Unido da UE e a introdução de um novo acordo bilateral deve acabar no máximo em 2022.

Na sequência do referendo a 23 de junho de 2016, o Reino Unido invocou, a 29 de março último, o artigo 50.º do Tratado de Lisboa que permite a saída de um Estado-membro do bloco europeu

DAMIR SAGOLJ / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro britânico da Economia, Philip Hammond, disse esta sexta-feira que o período de transição entre a saída do Reino Unido da União Europeia e a introdução de um novo acordo bilateral deve acabar no máximo em 2022.

Em declarações ao programa radiofónico Today, da BBC, Hammond disse: “Nós falámos de um ano, de dois, de três… creio que há um amplo consenso de que o processo deve estar terminado na data programada das próximas eleições legislativas, que é junho de 2022“.

O ministro acrescentou que no dia depois do Brexit, previsto para 29 de março de 2019, “muitas coisas vão parecer como são agora, e depois haverá um processo, entre a data em que deixaremos a UE e a data em que entram em vigor os novos acordos baseados nos tratados entre o Reino Unido e a União Europeia”.

O Governo britânico espera acordar um período transitório que vá desde a data de saída do bloco até à entrada em vigor do acordo bilateral que vai enquadrar a relação entre o Reino Unido e a União Europeia.

Na sequência do referendo a 23 de junho de 2016, o Reino Unido invocou, a 29 de março último, o artigo 50.º do Tratado de Lisboa que permite a saída de um Estado-membro do bloco europeu.

De acordo com o calendário do processo de saída, a data oficial de saída do Reino Unido da UE acontece dois anos após a ativação do artigo 50.º do Tratado Europeu, ou seja, a 29 de março de 2019.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site