Fogo de Pedrógão Grande

Marisa Matias: “Não acho que a lista deva ser pública, por respeito às vítimas”

2.052

Eurodeputada (BE) considera que o mais importante é assegurar que todos os familiares das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande "tenham o apoio de que precisam".

TIAGO PETINGA/LUSA

Marisa Matias manifestou-se contra a divulgação da lista oficial de vítimas do incêndio de Pedrógão Grande. No seu habitual espaço de comentário na TVI24, esta sexta-feira, a eurodeputada (BE) considera que o mais importante, um mês e meio depois do início do fogo que matou pelo menos 64 pessoas, é que o Governo garanta que “todos os familiares” recebem “o apoio de que precisam”.

Depois da polémica que se levantou à volta do número real de vítimas do incêndio que se estendeu pelos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, o Ministério Público revelou as 64 identidades das vítimas mortais (mais duas, cuja ligação direta ou indireta ao incêndio está a ser investigada). Até esse momento, o Governo recusava-se a divulgar essa informação, que integrava um processo-crime em segredo de justiça.

Mas, depois de confrontar a lista oficial com as listas informais preparadas por populares, a procuradora titular do processo tornou essa informação pública. Uma decisão errada, considera a eurodeputada.

Não acho que a lista deva ser pública, por respeito às vítimas e às famílias das vítimas”, considera Marisa Matias. “Não se ganha absolutamente nada em ter a lista divulgada.”

A antiga candidata presidencial (2016) falou ainda sobre o sistema de comunicações de emergência das autoridades portuguesas para defender uma revisão do atual modelo de parceria público-privada. “As comunicações continuam a falhar, as falhas no SIRESP não podem existir. Esta PPP não está a funcionar, devia acabar-se com ela”, defendeu.

Numa análise mais alargada sobre a tragédia de Pedrógão Grande, Marisa Matias considera que o incêndio “foi só, infelizmente, a expressão mais trágica de um problema maior, que tem a ver com a gestão da floresta, a noção do que é propriedade florestal, a ausência de um sistema de proteção civil digno desse nome e de um sistema de comunicações que não esteja sistematicamente a falhar”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site