Francisco Pinto Balsemão

Pinto Balsemão espera que exclusão de canais da SIC em Angola seja “bem resolvida”

O presidente do grupo Impresa afirmou hoje, na cidade da Praia, que a exclusão de canais televisivos do grupo em Angola é um "problema" do país que espera ver "bem resolvido".

STEVEN GOVERNO/LUSA

O presidente do grupo Impresa, Francisco Pinto Balsemão, afirmou hoje, na cidade da Praia, que a exclusão de canais televisivos do grupo em Angola é um “problema” do país que espera ver “bem resolvido”.

“É um problema angolano que gostava que fosse bem resolvido”, disse Pinto Balsemão à agência Lusa na cidade da Praia, à margem da sua participação numa conversa sobre democracia e governação com o ex-primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves.

A 14 de março, a Zap interrompeu a difusão dos canais SIC Internacional e SIC Notícias nos mercados de Angola e Moçambique, o que aconteceu depois de o canal português ter divulgado reportagens críticas ao regime de Luanda.

Desde 05 de junho, também a operadora de televisão por subscrição Multichoice, através da plataforma internacional DStv, deixou de transmitir os canais SIC Notícias e SIC Internacional África em Angola.

A operadora portuguesa NOS detém 30% da Zap, sendo o restante capital detido pela Sociedade de Investimentos e Participações, da empresária angolana Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Os restantes canais do grupo português, SIC Mulher, SIC Radical, SIC Caras e SIC K, continuam a ser transmitidos normalmente em Angola.

Questionado sobre o assunto pela Lusa, Francisco Pinto Balsemão não se alongou muito nas respostas, dizendo apenas que o grupo Impresa é a “favor do pluralismo e de uma concorrência sã e leal”.

O empresário e também antigo primeiro-ministro português afirmou ainda que este é um assunto que fará parte da campanha eleitoral em Angola.

O país vive, atualmente, um clima de pré-campanha para as eleições gerais de 23 de agosto, às quais já não concorre José Eduardo dos Santos, Presidente da República desde 1979.

Em junho, a empresária Isabel dos Santos, que detém a distribuidora angolana de televisão por subscrição Zap, escreveu nas redes socais que “a SIC é muito cara” e que a exclusão dos canais daquele grupo português era uma decisão comercial.

Instado a comentar, Pinto Balsemão disse que não quer entrar no assunto, remetendo apenas para um comunicado emitido pelo grupo Impresa.

Fonte oficial da SIC disse que se “preocupa essencialmente com a liberdade de informação” e a prestação “de serviços de qualidade”, pelo que não se enreda “em ‘tertúlias’ nas redes sociais”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site