Logo Observador
Férias

Políticos com férias mais curtas em ano de autárquicas

Em ano de eleições autárquicas, as férias dos principais líderes políticos vão ser mais curtas e quase todas passadas em Portugal. Em alguns casos, serão interrompidas por compromissos de agenda.

TIAGO PETINGA/LUSA

Em ano de eleições autárquicas, as férias dos principais líderes políticos vão ser mais curtas e quase todas passadas em Portugal e, em alguns casos, interrompidas por compromissos de agenda. A exceção ao lema “vá para fora cá dentro” será o deputado do PAN, André Silva, o único a viajar para fora do país.

Entre os que ficam em Portugal, os períodos de férias quase nunca irão ultrapassar os 10 dias e serão maioritariamente passados a sul, nas praias do Algarve. Fonte oficial do Palácio de Belém adiantou à agência Lusa que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, “estará sempre em território nacional”, estando previsto que tenha uns dias de férias em meados de agosto, que “serão interrompidas por diversos compromissos de agenda já estabelecidos”, como é o caso das habituais reuniões semanais com o primeiro-ministro, António Costa.

Aliás, o chefe do executivo já teve uma semana de férias no início de julho e, de acordo com informação de fonte oficial do seu gabinete de imprensa, “durante o mês de agosto aproveitará alguns dias, em especial ao fim de semana”.

O líder do principal partido da oposição, o PSD, “não terá agenda pública nos primeiros dias de agosto”, com Pedro Passos Coelho a retomar “a atividade política a 13 de agosto com a tradicional Festa do Pontal”.

Depois da viagem de 2016 à China, Tibete e Nepal, o deputado único do PAN, André Silva, ficará este ano mais perto – apesar de ser o único a viajar para fora de Portugal -, tendo escolhido a vizinha Espanha para descansar. “Durante as primeiras duas semanas de agosto vou recolher-me em Parques Naturais de Espanha. Quero sair da cidade, serenar a mente e sentir que estou a enraizar de novo os pés na terra. Estar em contacto mais profundo com a natureza em atividades várias permite-me ter um momento de balanço e de reflexão pessoal numa envolvente que estimule a criatividade e o compromisso necessários para dar continuidade a este projeto comum de fazer crescer e de fortalecer o PAN”, referiu André Silva, em declarações à agência Lusa.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, vai rumar ao Norte do país para gozar 10 dias de férias com a família nos primeiros dias de agosto.

Já a líder do CDS-PP, Assunção Cristas – que é também a candidata do partido à Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas de 01 de outubro -, terá as férias interrompidas “com algumas vindas pontuais a Lisboa”. Assunção Cristas vai estar alguns dias, na segunda semana de agosto, no Algarve, como de costume em família, adiantou à agência Lusa fonte do partido.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, já começou as férias esta semana e estará a descansar “até aos princípios de agosto, a Sul do país, com a família”.

Pelo partido parceiro dos comunistas na CDU, o PEV, a deputada Heloísa Apolónia “gozará férias com a família no Sul do país nos primeiros 10 dias de agosto”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

PS

Miscelânea de férias

Maria João Marques
1.612

Gabriela Canavilhas é uma política socialista exemplar. Tem arrogância (daquela não proveniente de méritos próprios) em abundância e não percebe patavina da maioria dos assuntos de que debita palavras

Família

Certificado de desordem (primeira crónica estival)

Maria João Avillez
1.593

Fui-me apercebendo que, se não me lembro de os meus pais se terem “ocupado” desta forma dos meus filhos, foi simplesmente porque não era, como hoje é, (quase) urgente fazê-lo. Era-se avó doutra forma.

Desastres Naturais

Azar

Paulo de Almeida Sande

Quando os portugueses voltarem de férias, Portugal estará mais pobre, mais negro, mais seco, mais ferido, mais triste. Nada que o frenesim da rentrée, o fim do calor, o recomeço da bola não resolvam.