Nações Unidas

Alto-comissário da ONU para direitos humanos “profundamente inquieto” com a Venezuela

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos declarou-se "profundamente inquieto" pela nova detenção na Venezuela de dois dirigentes da oposição e pediu a sua "imediata" libertação.

O responsável da ONU pediu ao governo venezuelano que "liberte imediatamente todos os que estão detidos"

MAGALI GIRARDIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, declarou-se esta terça-feira “profundamente inquieto” pela nova detenção na Venezuela de dois dirigentes da oposição e pediu a sua “imediata” libertação.

Estou profundamente inquieto que os dirigentes da oposição Leopoldo López e Antonio Ledezma tenham sido de novo detidos pelas autoridades venezuelanas após a revogação da sua prisão domiciliária”, referiu em comunicado o alto-comissário.

O responsável da ONU pediu ao Governo venezuelano que “liberte imediatamente todos os que estão detidos por exercerem o seu direito à liberdade de reunião pacífica, de associação e de expressão”. Leopoldo López e Antonio Ladezma foram esta terça-feira novamente colocados na prisão militar de Ramo Verde, nos arredores de Caracas, de onde tinham saído recentemente para cumprir as penas em prisão domiciliária.

O advogado de defesa de López, fundador do partido Vontade Popular (direita), disse à emissora privada Circuito Êxitos que, na madrugada desta, tinham podido confirmar que o opositor foi levado para aquela prisão, acrescentando que espera poder vê-lo ainda esta terça-feira, por se tratar de “dia de visita legal”. Por sua parte, Mitzy Capriles, a mulher de Ledezma (Aliança Bravo Povo), assegurou numa conferência de imprensa em Madrid que os advogados do autarca de Caracas também haviam confirmado o mesmo local de detenção.

Antes, alguns dirigentes do Voluntad Popular (VP), o partido de Leopoldo López, assim como o ABP, o partido de Antonio Ladezma, reiteraram as mesmas informações, responsabilizando o Presidente, Nicolás Maduro, pela integridade física dos dois membros da oposição e sublinhando que desconhecem o local para onde foram transportados.

Venezuela enfrenta a “mãe de todas as manifestações”

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Venezuela justificou a condução coerciva de dois dirigentes da oposição por alegados preparativos de fuga, segundo os serviços de inteligência do país. A prisão domiciliária de Leopoldo López e Antonio Ledezma foi revogada pelo STJ. Em comunicado, a instância judicial diz ter recebido “por fontes de inteligência oficial (serviços secretos), informações que dava conta de um plano de fuga desses cidadãos, pelo que, e com a urgência do caso, se ativaram os procedimentos correspondentes”. A detenção dos dois dirigentes oposicionistas está a suscitar uma vaga de protestos em diversas capitais ocidentais e países da América Latina, exigindo a sua libertação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site