Mísseis

EUA preparam novo lançamento de míssil balístico a partir da Califórnia

A Força Aérea dos Estados Unidos testou na Califórnia o lançamento de mais um míssil balístico intercontinental desarmado. Foi o quarto teste balístico o início do ano.

O teste aconteceu entre a meia-noite e as seis da manhã a 209 quilómetros da Califórnia

KCNA/EPA

Os Estados Unidos estão a preparar o lançamento de mais um míssil balístico. A força aérea americana testou na terça-feira o Minuteman 3, um míssil balístico intercontinental desarmado. Foi a quarta vez desde o início do ano.

O exercício aconteceu entre a meia-noite e as 6h na Base da Força Aérea de Vandenberg, a cerca de 209 quilómetros noroeste de Los Angeles, Califórnia. O teste mostrou a “eficácia, prontidão e precisão do sistema de armamento”, segundo um comunicado da Força Aérea citado pela Bloomberg.

Os mísseis Minuteman são testados regularmente desde Vandenberg, de onde são enviados para uma zona de teste no Pacífico. Outros lançamentos aconteceram em fevereiro, abril e maio. Também em maio a Força Aérea testou o lançamento de um míssil intercetor que destruiu uma ogiva no Pacífico.

EUA testam interceção de míssil intercontinental

No último domingo, a Força Aérea americana lançou dois bombardeiros estratégicos sobre a Península coreana, como resposta aos mais recentes testes por parte da Coreia do Norte. Os Estados Unidos testaram ainda outro lançamento bem sucedido no Alasca.

Os mais recentes testes com mísseis mostram que uma grande parte dos Estados Unidos está no alcance dos mísseis da Coreia do Norte.

Novo local de testes da Coreia preocupa China e EUA

Foi com o lançamento de um míssil balístico intercontinental ocorrido a semana passada que as preocupações se viraram para o perigo do novo local de testes da Coreia do Norte. O míssil descolou da província de Chagang, onde foram posteriormente descobertas as coordenadas exatas do lançamento.

O perigo está no facto de esta localização estar apenas a cerca de 50 quilómetros em linha reta da fronteira com a China. Esta proximidade é também um motivo de preocupação para os Estados Unidos ou essa localização não estivesse em terreno montanhoso, o que pode dificultar um contra-ataque.

Para além disso, a escolha deste local é mais uma prova dada pela Coreia do Norte de que não os locais de lançamento não têm de ser os mais habituais.

A Coreia do Norte tem vindo a melhorar a sua capacidade em surpreender no que toca ao lançamento balístico. Além do lançamento de um míssil de médio alcance em fevereiro e maio, esta semana testaram ainda o lançamento de mísseis submarinos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site