Logo Observador
Futebol

A reunião de 15 minutos e um cheque de 222 milhões devolvido: Neymar está “preso” ao Barcelona

149

A Liga espanhola não aceitou o cheque com que o PSG quer fechar o negócio de transferência de Neymar do Barcelona para o clube francês. Cláusula de rescisão é de 222 milhões de euros.

AFP/Getty Images

Os advogados de Neymar, chefiados por Juan de Dios Crespo, especialista em direito desportivo e diretor do departamento desportivo da Ruiz-Huerta & Crespo, tentaram pagar esta quinta-feira a cláusula de rescisão no valor de 222 milhões de euros do futebolista brasileiro pela sua transferência do Barcelona para o Paris Saint-Germain, colocando assim um ponto final na polémica contratação. A Liga espanhola, contudo, confirmou o que já tinha anunciado e recusou o cheque necessário para fechar o negócio e libertar o jogador.

A atitude está a gerar um grande debate em Espanha entre especialistas em direito desportivo. Numa entrevista ao As, Javier Tebas, presidente da Liga Espanhola de Futebol, tinha explicado que o órgão iria fazer uma denúncia à UEFA, à União Europeia e ao Tribunal Arbitral de Desporto por aquilo que descreve como “doping financeiro”. “Não aceitaremos o dinheiro de um clube como o PSG, que infringe leis e normas do futebol profissional”, destacou, antes de abordar uma relação clube/estado, por causa das ligações dos franceses ao Catar, que servem de argumentação para essa recusa. Ainda assim, outros advogados garantem que a Liga Espanhola de Futebol terá de aceitar o dinheiro.

A Marca recorda ainda o percurso de Juan de Dios Crespo, advogado que já tinha por exemplo defendido Lionel Messi quando o argentino foi castigado com quatro jogos depois de uma altercação com um árbitro quando estava a jogar pela seleção. Em paralelo, a publicação avança já com o plano B do PSG: pedir uma licença temporária à UEFA para inscrever o jogador, algo que já foi concedido em algumas situações de exceção.

Já o El Mundo acrescenta um pormenor quase caricato da história: os advogados de Neymar prepararam toda a documentação antes, entraram na sede da Liga às 11h15 e saíram às 11h30… de mãos a abanar. Foram estes 15 minutos que desencadearam mais uma polémica à volta de Neymar, depois da novela em torno da sua contratação e dos valores que os catalães tinham pago a diferentes entidades.

A decisão de sair do Barcelona e de pagar a milionária cláusula já tinha sido confirmada esta quarta-feira, num comunicado enviado pelo clube catalão: “O jogador Neymar, acompanhado pelo seu pai e representante, comunicou ao Barcelona esta manhã a sua decisão de sair, numa reunião tida nos escritórios do clube. Perante este posicionamento, o clube remeteu para a cláusula de rescisão do seu contrato em vigor, que é de 222 milhões de euros desde 1 de julho e deverá ser paga na totalidade”, lia-se ontem num comunicado do clube catalão. De acordo com o Mundo Deportivo, os blaugrana não alcançaram o objetivo de colocar os franceses a negociarem o preço de Neymar, que serviria para colocar uma cláusula anti-Real Madrid em termos futuros.

O empresário do futebolista brasileiro Neymar, Wagner Ribeiro, confirmou esta quarta-feira que o PSG pagaria nas próximas horas os 222 milhões de euros da cláusula de rescisão de contrato com o Barcelona. “O PSG pagará a cláusula de Neymar e vai apresentá-lo no final da semana”, garantiu o brasileiro. E a primeira prenda para o avançado no PSG já é conhecida: Javier Pastore vai ceder a camisola número 10 ao novo companheiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Viva o turismo

João Marques de Almeida

Os “novos aristocratas” acham que têm privilégios especiais. Passam a vida inteira a viajar, mas nunca são turistas. As massas da classe média viajam pouco, mas se o fazem são logo turistas detestados

Terrorismo

Do lado de dentro da janela

Helena Matos

Tudo resultou em mais gritos Alá é grande”, mais carrinhas descontroladas afinal conduzidas por mão firme, mais lobos solitários que tinham quem os apoiasse. Mas "Nós não temos medo". Claro que temos