Viagens

Pedras parideiras pela fertilidade, moedas ou testículos pela boa sorte. 35 lugares para cumprir superstições

Em Arouca, as pedras parideiras ajudam na fertilidade; pelo mundo não faltam fontes para onde se atiram moedas para dar boa sorte; mas há ainda estátuas onde se deve tocar nas partes íntimas.

Getty Images

Apertar os seios da Julieta Capuleto, esfregar a genitália de Victor Noir ou apertar os testículos de um touro em Nova Iorque. Parece no mínimo estranho, mas para muitos estas ações são uma boa receita para encontrar o amor verdadeiro, a sorte na vida ou o sucesso nos estudos. E são também uma boa desculpa para viajar até aqui ao lado, em Espanha, ou até à luminosa Singapura.

Se está de malas feitas, mapas na mão mas sem um destino delineado, este roteiro pode ser o indicado para si: são 35 lugares que pode visitar se pretende que a boa ventura lhe bata à porta. E nem sequer é preciso ir muito longe: se tem o sonho de constituir família mas ele ainda não se concretizou, basta viajar até à serra da Freita e visitar as Pedras Parideiras, que desde a Idade Média julga-se garantir mais fertilidade às mulheres. Pelo meio, sempre pode conhecer os emblemáticos percursos pedestres na aldeia de Drave, passar pelos Passadiços de Paiva ou explorar as praias fluviais secretas da Freita.

Conheça as superstições de 35 destinos turísticos na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Crónica

Quem viaja muito a trabalho tem sorte?

Ruth Manus
661

Viajar toda hora só é uma sorte quando tais viagens são por turismo voluntário ou por outra razão mais nobre. Viajar por necessidade ou por imposição não tem lá muita graça.

Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site