Venezuela

Venezuela. Detido após as eleições, Antonio Ledezma já voltou a casa

Os serviços de segurança venezuelanos devolveram Antonio Ledezma a casa, depois de o terem levado para a prisão a 1 de agosto. Leopoldo López continua no estabelecimento prisional.

Antonio Ledezma foi preso em 2015 e está em prisão domiciliária desde 2016. Foi detido por estar alegadamente a planear uma fuga do país

CRISTIAN HERNANDEZ/EPA

Antonio Ledezma, o antigo presidente da zona Metropolitana de Caracas, foi novamente entregue a prisão domiciliária depois de ter sido levado para a prisão durante a madrugada de 1 de agosto por agentes dos serviços de segurança venezuelanos.

A notícia foi dada às 4h40 desta madrugada (9h40 em Lisboa) pela mulher do líder do partido Aliança Povo Bravo na conta de Twitter do seu marido.

“Informo ao país que há minutos, surpreendentemente o António foi trazido pelo Sebin para a nossa casa. Volta a prisão domiciliária”, escreveu.

Além disso, Mitzy Ledezma deixou ainda outra mensagem do marido. “Ao entrar no apartamento, o Antonio disse que ao entrar no apartamento volta com a angústia de que o Leopoldo e mais de 600 presos políticos continuem atrás das grades”, escreveu.

Antonio Ledezma é um dos principais opositores a Nicolás Maduro (leia mais sobre ele aqui) e está em prisão preventiva desde 2015, por suspeitas de conspirar para derrubar o Governo venezuelano. Em agosto de 2016 foi colocado em prisão domiciliária. Na madrugada de 1 de agosto, foi levado pelas autoridades, que justificaram esta ação com risco de fuga do país. Na mesma noite, e também sob a mesma justificação, o opositor Leopoldo López também foi retirado da prisão domiciliária e levado por agentes do Sebin.

Tanto um como o outro foram levados para a prisão militar de Ramo Verde, onde Leopoldo López ainda permanece.

Quem são os opositores de Nicolás Maduro. Poderá algum deles derrubá-lo?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Catalunha

Não é independente quem quer

Jorge Pereira da Silva

No actual quadro, que Estados poderão reconhecer a Catalunha como um Estado independente? Se excluirmos porventura alguns Estados párias, a resposta é simples: nenhum. Vale a pena perceber porquê.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site