Algarve

Algarve regista descida de 1% na ocupação média por quarto em julho

A ocupação média por quarto no Algarve registou uma descida de 1% em julho, face ao período homólogo de 2016. Descida não afetou o volume de vendas.

GUILLAUME HORCAJUELO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A ocupação média por quarto no Algarve registou uma descida de 1% em julho, em comparação com o período homólogo de 2016, tendo-se situado nos 86,5%, anunciou a principal associação hoteleira da região.

Esta descida não afetou o volume de vendas, que “aumentou 4,5% durante o mês” passado, frisou a Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), que divulgou na sexta-feira os dados reunidos pelo seu gabinete de estudos sobre a ocupação referente a julho de 2017.

O mercado emissor de turistas que mais contribuiu para estes números foi o alemão, com uma subida de 11,7%, precisou a AHETA, acrescentando que o mercado britânico registou uma descida de 12,6%, justificada pela associação hoteleira algarvia com a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) e a “consequente desvalorização da libra em 15% no último ano”.

“As estatísticas oficiais do Reino Unido confirmam uma redução no número de britânicos a viajar para o exterior (-4,6% em maio), tendência que deverá acentuar-se no futuro próximo”, alertou a mesma fonte.

Quanto a zonas geográficas, a AHETA registou subidas nas de Portimão/Praia da Rocha (+1,3%) e Lagos/Sagres (+1,2%), enquanto as principais descidas foram observadas em Faro/Olhão (-12,9%) e Vilamoura/Quarteira/Quinta do Lago (-10,1%).

“Albufeira, a principal zona turística do Algarve, registou uma ocupação semelhante à do ano anterior (+0,8%)”, adiantou a AHETA, que tem sede nessa cidade algarvia.

A associação hoteleira concluiu os dados relativos a julho passado destacando o aumento de 4,5% no valor do volume de vendas.

“Em termos acumulados, desde o início do ano, a taxa de ocupação por quarto regista uma subida de 2,8% e o volume de negócios um crescimento acumulado de 8,6%”, revelou ainda a AHETA.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site