Logo Observador
Decoração

‘Nesting’: não às infinitas atividades, sim ao tempo de qualidade em casa

3.936

Cancelar os compromissos de fim de semana, não ter horários e estar sem fazer nada, ou muito pouco, em casa, é o que o Nesting defende. Reunimos oito dicas para tornar o seu "ninho" mais confortável.

Não sabe o que vai fazer no próximo fim de semana? Fique em casa e pratique o Nesting: faça valer o tempo, sem pressas para compromissos.

© Hélder Cardoso / Divulgação

Autor
  • Raquel Salgueira Póvoas

Não se recorda da última vez em que acordou sem planos? A correria do dia a dia deixa-o sem tempo e energia para aproveitar o seu espaço, a sua casa? Conselho: pratique o Nesting. Que é como quem diz, abrande o ritmo e fique quieto no ninho que é a sua casa.

A tendência que defende que se deve passar tempo de qualidade em casa ao fim de semana – quer seja a ler, conversar com a família, fazer jardinagem, cozinhar ou simplesmente fazer rigorosamente nada -, tem vindo a ganhar força e a cativar quem corre pelos dias. Os níveis de ansiedade baixam, o stress perde terreno.

João Carvalho, arquiteto e diretor geral da Melom, explica que há mais pessoas a procurar os serviços de remodelação de casas com este conceito em mente. Ou seja, com o objetivo de potencializar as diferentes áreas e tornar as habitações mais acolhedoras e confortáveis.

O Observador reuniu oito dicas, com a ajuda do arquiteto João Carvalho e a sua equipa de decoração, para que sinta mais vontade de ficar por casa, sem pressão para procurar fora de portas outras atividades e ambientes.

1. Aproveite a varanda e os espaços exteriores

Já lá vai o tempo em que o desejo de quem tinha varandas era o de as tornar em úteis (será?) marquises. Hoje a necessidade de estar em contacto com a natureza e a procura de estilos de vida mais saudáveis, faz com que as pessoas prefiram que espaços abertos permaneçam exatamente dessa forma.

Quer tenha uma varanda de pequenas dimensões ou um jardim com espreguiçadeiras, aproveite-os para descontrair sozinho ou com amigos. É fácil esquecer-se de que esta zona também é parte integrante da casa e sim, tem um enorme potencial.

© Divulgação

2. Crie zonas de jardinagem

Não é só o espaço que vai tornar-se mais agradável. É também a própria experiência de criar a horta, jardim ou floreira que lhe trará tempo de qualidade, em casa, enquanto o faz. Coloque na agenda imaginária do próximo fim-de-semana “definir o que plantar e de que forma o fazer”. Depois, reúna o material necessário e mãos à obra, ou melhor, mãos na terra.

7 dicas para jardineiros ainda verdinhos

3. Relaxe em espaços intimistas

Definir o seu próprio espaço, dentro de casa, é importante. Sempre que precise, é lá que pode encontrar a tranquilidade para realizar atividades tais como, ler, ouvir música, meditar, praticar mindfulness. Em espaços como estes, em que se põe em prática a filosofia de “tirar tempo para si mesmo”, as cores neutras e os tons pastel são o mote para transmitir serenidade e paz, explica ao Observador João Carvalho.

© Divulgação

4. Tire partido do quarto

Menos é mais. Nesta zona, sobretudo. O quarto quer-se tranquilo, quer seja para dormir ou para estar a aproveitá-lo durante o dia, enquanto descansar ou vê séries ao sábado à tarde, encostado às almofadas. “Tapetes trazem conforto extra ao espaço que normalmente é vivido de pés descalços. Mantas e coberturas de texturas macias e naturais podem transformar a cama num lugar ainda mais seguro. Lembre-se de reservar um cantinho para uma planta”, são os conselhos dados pela equipa de decoração da Melom.

© Divulgação

5. Ponha ordem na cozinha

Em vez de marcar a mesa do restaurante habitual para o jantar de fim de semana, altere os planos e convide os amigos para uma refeição por casa. Pode optar por preparar a refeição de forma descontraída, com música de fundo e um aperitivo a acompanhar, antes de os receber. Ou antecipar a hora de chegada para que, desta forma, partilhem o espaço para preparar o jantar em conjunto. Como reforçam os profissionais da Melom “a cozinha ganhou um novo lugar de destaque em casa para convívio e partilha de experiências, com espaços amplos, em tons claros, com bancadas espaçosas e organizadas”.

© Divulgação

6. Garanta a luz no interior

A luz natural deve sempre ser aproveitada. Por isso, afaste os cortinados e permita que a casa a receba. Contudo, tenha também atenção aos candeeiros com luz de qualidade para a noite, momentos de leitura e atividades que exijam maior claridade. Quando tiver de optar por luzes artificiais, escolha “os tons amarelos e quentes como o sol”.

© Imagem retirada do Pinterest

7. Controle a temperatura

Com ou sem ar condicionado instalado em casa, não descure a climatização. Abra as janelas sempre que possível. Atualmente há também uma oferta variada de ventoinhas que não destoam na decoração. E ainda que o inverno esteja longe, o arquiteto João Carvalho recorda a importância do aproveitamento das lareiras, não só pelo ambiente que criam, como pela tranquilidade que é alcança enquanto se observam. “Uma vez que o Nesting funciona em torno do conforto de se estar em casa, no inverno as lareiras são a opção favorita deste modo de vida”, acrescenta.

© Imagem retirada do Pinterest

8. Utilize materiais naturais

Os materiais naturais são cada vez mais utilizados por arquitetos nas construções e devem ser por si escolhidos para a decoração do interior da sua casa. Madeira, bambu, couro, são algumas das hipóteses. “A procura pelo cunho natural trouxe às nossas casas um cunho mais pessoal e rústico, que tanto carateriza o Nesting”. A madeira, por exemplo, pode ser utilizada em soalhos de pinho, decks nas varandas, bancadas de cozinha ou até em bancos feitos a partir de troncos. Seja criativo e misture elementos e materiais naturais para que o seu ninho se torne ainda mais confortável.

© Divulgação

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt