Uber

Investidor da Uber acusa o fundador Travis Kalanick de fraude

Renunciou o cargo de CEO da Uber depois de um dos maiores acionistas da startup ter pedido a sua saída. Agora, Travis Kalanick foi processado por fraude pelo Benchmark, um dos investidores.

WILL OLIVER/EPA

O Benchmark, um dos fundos de investimento da Uber, apresentou esta quinta-feira uma ação judicial no Tribunal de Delaware, nos Estados Unidos, contra Travis Kalanick, o antigo presidente-executivo e um dos fundadores da startup.

O investidor acusa Kalanick de fraude, violação de contrato e violação de deveres, noticia o The New York Times. De acordo com a ação judicial, citada pelo jornal, a posição de Travis Kalanick no conselho de administração da Uber “é, portanto, imprópria e desigual, e deve ser considerada inválida”.

Um porta-voz do Sr. Kalanick disse que este processo está “completamente cheio de mentiras e falsas alegações”, acrescentando ainda que o Benchmark está a agir em cumprimento com os “seus próprios interesses” e não com os da Uber. “Travis Kalanick está confiante de que estas afirmações sem fundamento serão rejeitadas”, revelou o porta-voz do ex-presidente-executivo.

Este processo é o resultado de uma luta para afastar Kalanick do conselho de administração da Uber. No final de junho deste ano, os maiores acionistas da Uber pediram a sua saída imediata do cargo de presidente-executivo, através de uma carta intitulada “Moving Uber Forward” (em português, “Andar com a Uber para a frente”). Travis Kalanick acabou mesmo por renunciar ao cargo e anunciou no início de agosto que não vai fazer parte do “novo capítulo” da empresa.

Já no início do ano, outros executivos da Uber deixaram a empresa depois de terem sido acusados de assédio sexual e da criação de uma cultura machista e discriminatória dentro da corporação. A acusação partiu da ex-engenheira informática da Uber, Susan J. Fowler, através de uma publicação no seu blogue pessoal. Na sequência da denúncia de Fowler, a Uber contratou um antigo Procurador-geral, Eric Holder, para investigar caso.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site