Espaço

Planos para sábado? Veja a chuva de meteoros que aí vem

8.740

Este sábado vai poder assistir a uma chuva de meteoros. O fenómeno tem horas mais estratégicas para ser visto. Além de meteoros, também vai poder ver planetas a olho nu.

AFP/Getty Images

Se não tem planos para este sábado, então poderá ver a chuva de meteoros das Perseidas – que acontece todos os anos. A melhor altura para ver será entre as 14h e as 2h30.

Em Portugal, o pico será visível na madrugada do dia 13 a partir da uma hora. Contudo, valerá a pena observá-las à noite nos dias próximos do pico e até ao dia 24 de agosto”, segundo o Observatório Astronómico de Lisboa.

Previsão do aparecimento da constelação de Perseida, às 2h de 12 de agosto (Fonte: Observatório Astronómico de Lisboa)

O que é um meteoro?

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, designa-se por meteoro o fenómeno luminoso resultante da entrada na
atmosfera da Terra de um corpo sólido proveniente do espaço.

Para além das horas específicas, o Observatório adianta, ainda, que as melhores alturas de observação vão acontecer em noites de Lua Nova. “O instante da fase de Lua Nova ocorre no dia 21 às 19h30 horas”, conclui o Observatório.

Planetas também vão poder ser vistos

Mas não só a chuva de meteoros marca este mês de agosto. Na verdade, durante as noites de agosto “todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados”. São os casos de Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno.

Mercúrio vai poder ser visto na direção sudoeste, na constelação de Leão, até ao final do dia 13. Já Vénus encontra-se na direção sudoeste, na constelação de Gémeos, e será visível ao amanhecer. Marte estará visível a partir do dia 16, ao amanhecer, na constelação de Caranguejo (a nordeste), mas vai mover-se depois para a constelação de Leão. Já Júpiter vai estar pela constelação de Virgem, ao anoitecer, na direção sudoeste. Por fim, Saturno será visível ao anoitecer, a sudeste, e “durante grande parte da noite de Ofiúco”.

Mais informações sobre o “céu noturno de agosto”, podem ser vistas aqui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site