Bomba Atómica

Como sobreviver a um ataque nuclear? A pergunta está a dominar o Google

As pesquisas à pergunta "como sobreviver a um ataque nuclear" dispararam no Google nos últimos dias. Analisámos a tendência no último ano, mas há mais termos que chamam à atenção.

HIROSHIMA PEACE MEMORIAL MUSEUM/EPA

Como sobreviver a um ataque nuclear“? A pergunta foi feita ao Google e o número de pesquisas disparou nos Estados Unidos, nas últimas horas.

Com as várias trocas de ameaças entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, vários têm sido os momentos em que esta pergunta dispara nas pesquisas do Google. O pico, nos últimos sete dias, aconteceu no dia 10 – curiosamente no dia em que Donald Trump ameaçou a Coreia com problemas “como poucas nações tiveram”. A nível mundial, a tendência é a mesma.

Já se alargarmos o tempo de pesquisa para um ano, verificamos um pico entre 6 e 12 de novembro – curiosamente quando Donald Trump venceu as eleições e se tornou Presidente dos Estados Unidos. Mais tarde, em abril, um outro pico: o mês em que os Estados Unidos bombardearam o Afeganistão com a “mãe de todas as bombas” e em que testaram um míssil intercontinental no Pacífico. Mais recentemente, na última semana de julho, as pesquisas atingiram o maior auge neste espaço temporal: uma semana constantemente marcada por testes balísticos.

“Terceira Guerra Mundial”

Também esta semana, o termo “Terceira Guerra Mundial” atingiu vários picos. A nível mundial, esses picos registaram-se, principalmente, nos últimos três dias.

A ilha Guam também foi alvo de curiosidade

Mais recentemente, outro termo bastante pesquisado foi “Guam”, a ilha paradisíaca norte-americana que a Coreia prometeu bombardear ainda durante este mês de agosto. A tendência foi Mundial – Portugal não foi exeção.

Guam, a paradisíaca ilha norte-americana que a Coreia do Norte quer bombardear

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site