Logo Observador
Bomba Atómica

Como sobreviver a um ataque nuclear? A pergunta está a dominar o Google

As pesquisas à pergunta "como sobreviver a um ataque nuclear" dispararam no Google nos últimos dias. Analisámos a tendência no último ano, mas há mais termos que chamam à atenção.

HIROSHIMA PEACE MEMORIAL MUSEUM/EPA

Como sobreviver a um ataque nuclear“? A pergunta foi feita ao Google e o número de pesquisas disparou nos Estados Unidos, nas últimas horas.

Com as várias trocas de ameaças entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, vários têm sido os momentos em que esta pergunta dispara nas pesquisas do Google. O pico, nos últimos sete dias, aconteceu no dia 10 – curiosamente no dia em que Donald Trump ameaçou a Coreia com problemas “como poucas nações tiveram”. A nível mundial, a tendência é a mesma.

Já se alargarmos o tempo de pesquisa para um ano, verificamos um pico entre 6 e 12 de novembro – curiosamente quando Donald Trump venceu as eleições e se tornou Presidente dos Estados Unidos. Mais tarde, em abril, um outro pico: o mês em que os Estados Unidos bombardearam o Afeganistão com a “mãe de todas as bombas” e em que testaram um míssil intercontinental no Pacífico. Mais recentemente, na última semana de julho, as pesquisas atingiram o maior auge neste espaço temporal: uma semana constantemente marcada por testes balísticos.

“Terceira Guerra Mundial”

Também esta semana, o termo “Terceira Guerra Mundial” atingiu vários picos. A nível mundial, esses picos registaram-se, principalmente, nos últimos três dias.

A ilha Guam também foi alvo de curiosidade

Mais recentemente, outro termo bastante pesquisado foi “Guam”, a ilha paradisíaca norte-americana que a Coreia prometeu bombardear ainda durante este mês de agosto. A tendência foi Mundial – Portugal não foi exeção.

Guam, a paradisíaca ilha norte-americana que a Coreia do Norte quer bombardear

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade