Logo Observador
Doodle

O hip-hop faz 44 anos – e há um Doodle sobre isso

356

Foi a 11 de agosto de 1973 que a cultura hip-hop deu os primeiros passos numa rua de Bronx, Nova Iorque. Quarenta e quatro anos depois, a Goggle recorda o início do ritmo inovador.

Afrika Bambaataa estabeleceu quatro pilares essenciais na cultura hip-hop: o rap, o DJing, breakdance e o graffiti

Google

Na década de 70, Kool Herc, um DJ jamaicano com 18 anos, tomou a iniciativa de fazer algo diferente numa festa com o seu conjunto de músicas. Em vez de as tocar na íntegra, tocava apenas o instrumental ou breaks – as secções de música que levavam o público ao rubro. Durante momentos, a sua amiga Coke La Rock, atirava um microfone para o público. Aconteceu a 11 de agosto de 1973, numa rua de Bronx, em Nova Iorque: 44 anos depois, a Google recorda o início do ritmo inovador que se viria a espalhar a todo o mundo, dedicando-lhe o Doodle do dia.

No entanto o hip-hop não é só feito de música. Afrika Bambaataa estabeleceu quatro pilares essenciais na cultura hip-hop: o RAP (Rhythm And Poetry, ‘Ritmo e Poesia’, em português), o DJing, breakdance e o graffiti.

O novo doodle foi projetado por Cey Adams, artista de graffiti e diretor criativo e fundador dos registros da Def Jam. Adams mostrou-se entusiasmado com a oportunidade de colocar um logótipo com o estilo de graffiti na página inicial do Google e saber que vai ser visto por pessoas de todo o mundo.

Os dois O’s são placas giratórias e aludem aos que Kool Herc –, cujo nome real é Clive Campbell — usou na noite pioneira. Os internautas podem clicar neles para ter a oportunidade de misturar as próprias faixas. O objetivo com o design foi dar aos visitantes da página do Google uma espécie de “aula” sobre hip-hop, para tentar dar algum contexto em aspetos históricos e culturais da música, que muitas vezes são alvo de estereótipos negativos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade