Incêndios

Mapa interativo. As cicatrizes que os incêndios deixaram em Portugal

497

Uma nova imagem de satélite de Portugal Continental mostra as marcas deixadas no território pelos grandes incêndios deste ano. São como cicatrizes de uma guerra contra as chamas. Recorde as histórias.

NASA

Parecem cicatrizes de guerra ou feridas abertas, mas não. São manchas que testemunham a devastação deixada no território português pelos grandes incêndios que já consumiram espaço florestal de norte ao sul do país. As duas cicatrizes maiores, no centro do país, recordam-nos do grande incêndio de Pedrógão Grande. Mesmo ao lado, o preocupante incêndio de Mação. E as feridas não acabam por aqui: muitas destas manchas marcam no mapa incêndios que ainda não foram sequer dados como dominados.

Este mapa de Portugal foi fotografado via satélite pela National Aeronautics and Space Administration (NASA), a agência espacial norte-americana. O Observador tornou-o interativo marcando com pontos vermelhos as manchas que evidenciam os territórios consumidos pelos fogos em Portugal de junho até agora. Para saber mais sobre ele, passe o rato no mapa e clique em cima dos discos vermelhos: um novo balão de texto vai aparecer com as informações do início e fim do incêndio, que aldeias foram afetadas e se houve ou não vítimas.

Este mapa pode ser atualizado se novos incêndios de grandes dimensões forem identificados ou se uma nova fotografia dos satélites da NASA for colocada online.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

IPSS

Raríssimas: o Estado é parte do problema

Rui Ramos

Mais do que por uma “vida de luxo”, a direcção da Raríssimas foi atraída por uma “vida de Estado”. Libertar a sociedade deste Estado gordo e promíscuo seria um meio de a libertar das piores tentações.

Brexit

Quem disse que sair da Europa era fácil?

Diana Soller

Esperemos que o executivo britânico se reorganize depressa. Ainda que o divórcio tenha tido até agora pouco de litigioso, uma das partes põe paus na engrenagem. E nas separações todo o cuidado é pouco

Crianças

Há Natais e Natais...

Rute Agulhas

Pais, mães, avós e restante família alargada. Deixemos as crianças viver a magia do Natal. Acreditar, mesmo que seja a fingir, no Pai Natal e nas renas, e na fábrica de brinquedos, e nos duendes.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site