Logo Observador
Hospitais

Hospitais públicos. Pagamentos em atraso a fornecedores atingem 739 milhões em maio

956

Valor dos pagamentos em atraso dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde a fornecedores voltou a derrapar. Entre dezembro e maio subiu 36% para os 739 milhões de euros, diz o Diário de Notícias.

MARIO CRUZ/LUSA

Os pagamentos em atraso dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde aos fornecedores atingiam os 739 milhões de euros no final de maio. O número, avançado na edição de domingo do Diário de Notícias, representa um agravamento de 195 milhões de euros, ou de 36%, face ao valor registado no final do ano passado que era de 544 milhões de euros.

O DN cita os números do reporte mensal da Administração Central do Sistema de Saúde que confirmam a tendência de agravamento nos atrasos, já sinalizado por outros agentes do setor. A indústria farmacêutica já tinha avisado que as dívidas dos hospitais, que em junho ascendiam a 930 milhões de euros, estavam a um nível comparável ao alcançado em 2012, quando Portugal estava sob os efeitos do resgate financeiros.

A dívida total em maio dos hospitais aos fornecedores é de 1.592 milhões de euros, mas os valores com um atraso de mais de 90 dias representam quase metade do total. A nova derrapagem nos pagamentos por parte do Serviço Nacional de Saúde já tinha levado o CDS e o PSD a questionarem o ministro Adalberto Campos Fernandes no parlamento.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Comida

Gastronomia com Ciência

Hélio Loureiro

Uma das práticas e pontos chaves da dieta mediterrânica é o comer em família, partilhar, conviver. A própria palavra, comer tem esse mesmo significado: com (na companhia de...) e er (repetição).