Casa Branca

Steve Bannon em entrevista: “a extrema-direita é um bando de falhados”

Promotor da "alt-right" e conselheiro de Donald Trump, Steve Bannon remeteu-se ao silêncio depois de Charlottesville. Mas, em entrevista, disse que a extrema-direita é "um bando de falhados".

Getty Images

Steve Bannon, o grande estratega e conselheiro de Donald Trump, o obreiro de toda a sua aura de pai tirano que vai por a casa em ordem, tem andado a passar entre os pingos da chuva — ou entre as tochas, as G3 e os tacos de basebol que tomaram de assalto a cidade de Charlottesville, na Virgínia, no fim-de-semana passado onde um grupo de supremacistas brancos se confrontou com um outro que tinha ido marchar como oposição à marcha de extrema direita.

O maior vulto da chamada alt-right — um conceito-chapéu-de-chuva que abriga vários grupos de direita, entre eles neo-nazis, anti-semitas, nacionalistas e supremacistas brancos — e ex-diretor da página de notícias pró-direita Breitbart, deu uma entrevista a uma revista de esquerda, a American Prospect, e nem foi a revista que a pediu mas sim Bannon que ligou, disparando em todas as direções. Na opinião pública mais à esquerda, a culpa da benevolência que Trump mostra perante o extremismo de alguns membros da alt-right é culpa dele mas, na entrevista, Bannon afasta-se da extrema-direita “etno-nacionalista” apelidando os seus membros de “um bando de palhaços”.

Trump: “Há culpa dos dois lados” nos atos de violência em Charlottesville

Mas depois do turbilhão de críticas que Trump enfrentou por ter dito que “ambos os lados” dos confrontos em Charlottesville tinham “pessoas boas e pessoas más”, fazendo assim equivaler, no barómetro moral, os neo-nazis àqueles que se rebelam contra eles, Bannon já não é um figura de proa. A relação do presidente com um dos seus principais conselheiros tem sido tépida, se quisermos ser otimistas. Na quarta-feira, quando questionado sobre se iria ou não mantê-lo na Casa Branca, a reposta de Donald Trump foi: “veremos”.

Segundo Robert Kuttner, que conduziu a entrevista ao telefone, Bannon ligou-lhe principalmente para falar da “guerra comercial com a China”, que deveria ser “alvo de uma mão mais dura”. Na opinião de Bannon, “é preciso que a Administração não se deixe levar por pensamentos otimistas nem que agora se pare de criticar as práticas comerciais da China só porque esperamos que sejam eles a mediar o confronto com Kim [Jong Un, líder da Coreia do Norte]”. Na Defesa, disse ainda Bannon, “está tudo quase a urinar-se pelas pernas abaixo”.

E quanto à Coreia do Norte, o estratega de Trump distancia-se da posição do patrão. “Não há solução militar, esqueçam isso. Até alguém resolver a parte da equação onde me mostram que dez milhões de sul-coreanos não morrem nos primeiros 30 minutos, então não sei do que falam quando falam dessa possibilidade. Não há solução, eles têm-nos na mão”.

“Alt-Right”. Quem são os radicais que Donald Trump leva para o poder

Bannon explicou ainda que a sua estratégia é ter sempre os democratas focados na questão racial e deixar os republicanos livres para implementarem “nacionalismo económico” que permitirá “esmagar os Democratas”.

“A extrema direita é irrelevante”, disse Bannon enquanto se tentava esgueirar às perguntas sobre o seu próprio papel em cultivar essa ideologia. “Etno-nacionalismo é para falhados, é uma franja, os meios de comunicação social é que os engrandecem, temos que ajudar a diminuir esses movimentos, a pô-los para baixo”. E, não contente, disse ainda: “Estes tipos são um coletivo de palhaços”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: afranca@observador.pt
Presidente Trump

Donald Trump, o Príncipe Asiático

Diana Soller

A relação EUA-China passou a ser central para Washington. Pequim é o Estado que pode comprometer o equilíbrio do sistema internacional e, por isso, está no topo das prioridades da Casa Branca.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site