Futebol

A polémica de Jorge Sousa no jogo do Sporting B, o que se passou a seguir e o que defende o árbitro

719

No Real-Sporting B, Jorge Sousa dirigiu-se de forma agressiva a Stojkovic e as câmaras apanharam o áudio: o clube reagiu, o árbitro ligou ao técnico dos leões mas a história pode não ficar por aqui.

Jorge Sousa é um dos árbitros internacionais mais cotados do país, a par de Artur Soares Dias

ANTONIO COTRIM/LUSA

Estava a ser um jogo perfeitamente normal da Segunda Liga entre Real e Sporting. Normal e bem jogado, acrescente-se, mesmo sem golos na primeira parte. No regresso do intervalo, Jorge Sousa, o internacional que dirigiu o encontro, vinha até numa conversa animada com Rui Correia, antigo guarda-redes de Seleção que faz agora parte da equipa técnica leonina. Aos 64′, Miguel Luís cometeu uma falta à entrada da área. E quando estava a formar barreira, as câmaras da Sport TV apanharam o áudio da reprimenda (chamemos-lhe assim) do juiz portuense ao jovem guarda-redes Vladimir Stojkovic.

Não vale a pena estarmos a dissecar o que foi dito, com o vídeo fica tudo esclarecido. Contemos o resto da história. E que segue no mesmo encontro: o conjunto de Massamá adiantou-se nesse livre que originou a confusão, a formação secundária verde e branca voltou a dar a conseguir a remontada nos últimos minutos e, nos festejos do segundo golo de Pedro Delgado (Pedro Marques marcara o primeiro), Abdu Conté viu vermelho direto, por indicação do árbitro assistente que acompanhava o ataque dos leões, sem se saber bem porquê.

Quando começaram a passar as repetições, percebeu-se que o jovem internacional Sub-19 que se sagrou este Verão vice-campeão europeu terá dito qualquer coisa para a bancada onde estavam os adeptos da equipa da casa e, no final da partida, quando Luís Martins (treinador) e Virgílio (delegado) se dirigiram a Jorge Sousa para cumprimentá-lo, terão questionado o porquê do vermelho. A situação, aparentemente, foi compreendida por todos, atentando-se na reação respeitadora que todos tiveram aquando do final dessa conversa.

No entanto, os responsáveis que estavam em Massamá não se aperceberam do que se passou, ao contrário de outros dirigentes do clube que estavam a ver o jogo pela TV. Assim, e já depois do vídeo ter começado a circular nas redes sociais, o Sporting emitiu um comunicado oficial dando conta do repúdio pela situação.

A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD repudia as palavras usadas pelo árbitro Jorge Sousa (…) Este tipo de linguagem não deve ser usada no futebol, ainda para mais por quem tem a responsabilidade de fazer cumprir e respeitar as leis do jogo, não contribuindo de forma alguma para a credibilização e dignificação do desporto mundial e do futebol português em particular. Estas palavras assumem gravidade ainda maior por terem sido proferidas por um árbitro de referência do futebol português, com uma vasta experiência, e que tem a categoria de internacional por ser titular de insígnias da FIFA, razões que lhe exigem contenção e atenção redobradas.

Jorge Sousa apercebeu-se entretanto de tudo o que se falava quando chegou a casa (altura em que o comunicado oficial dos leões já tinha sido emitido), tendo tomado a iniciativa de contactar Luís Martins, técnico principal do Sporting B. Na conversa mantida, segundo confirmou o Observador, o árbitro internacional terá abordado o lance em causa (e não só), tentando justificar o porquê de tal atitude mas sem pedir desculpas.

Para já, o caso está encerrado. Mas a história pode não ficar por aqui, até porque alguma coisa grave terá acontecido para uma reação destas de um juiz experiente (o mais cotado em termos nacionais, a par de Artur Soares Dias) que, em palestras a jovens árbitros, defende o que chama de “protocolo mental durante o jogo”.

“O jogo não é para se fazer, é para se ir fazendo, sem pressas em tomar decisões; desfrutar do prazer de arbitrar, divertemo-nos acima de tudo; confiantes, concentrados, tranquilos, seguros, determinados, lúcidos; abordar as pessoas (jogadores e dirigentes) sempre de forma serena, segura e confiante; tentar passar despercebido, mas se alguém se armar em Ferrari, eu armo-me em camião”, destacou, no vídeo disponível no Youtube, entre vários pontos e explicações sobre o que se deve fazer antes, durante e depois de cada partida.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site