Abono de Família

Número de abonos de família desce em julho e chega a mais de 1,12 milhões de crianças

Mais de um milhão de crianças tinha abono de família atribuído em 2016. O número desceu em julho, comparando com junho e ao ano passado, de acordo com os dados revelados pela Segurança Social.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O número de abonos de família atribuídos pela Segurança Social voltou a cair no mês de julho, com menos 874 face a junho e menos 17.095 face ao período homólogo, chegando agora a mais de 1,12 milhões de menores. De acordo com os dados mais recentes do Instituto de Segurança Social (ISS), divulgados esta segunda-feira, em julho havia 1.121.465 crianças ou jovens a receber este apoio, menos 17.095 do que no período homólogo do ano passado e menos 874 do que junho.

Relativamente à distribuição geográfica, é possível constatar que o abono de família é maioritariamente pago nos distritos de Lisboa (230.100), Porto (221.429) e Braga (102.313). Já no que diz respeito às prestações por parentalidade, a síntese de informação estatística da Segurança Social, elaborada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), mostra que, em julho, foram atribuídas 37.816 prestações.

Este número representa uma quebra de 2,6% em comparação com o mês de junho, mas traz, por outro lado, um aumento de 4,4% quando a análise é feita tendo em conta o período homólogo de 2016.

Para os indivíduos do sexo feminino, foram processadas 26.286 prestações, o que revelou uma diminuição de 1,8% quando comparado com junho de 2017 e uma subida de 6,3% relativamente ao período homólogo do ano passado. No que diz respeito aos indivíduos do sexo masculino, foram contabilizados 11.530 beneficiários, resultando numa redução de 4,4% face ao mês anterior e um acréscimo de 0,2% em termos homólogos”, lê-se na síntese informativa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site