Óbito

Morreu a atriz Mireille Darc, ícone do cinema francês na década de 1960 e 1970

A atriz Mireille Darc, um dos ícones do cinema francês de finais das décadas de 1960 e 1970, morreu esta segunda-feira aos 79 anos.

A emblemática atriz participou em meia centena de longas-metragens para o cinema, incluindo 13 com o realizador Georges Lautner

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

A atriz Mireille Darc, um dos ícones do cinema francês de finais da década de 1960 e, sobretudo, da de 1970, morreu esta segunda-feira aos 79 anos, confirmou a família à rádio RTL.

A emblemática atriz participou em meia centena de longas-metragens para o cinema, incluindo 13 com o realizador Georges Lautner. Segundo a emissora francesa, a atriz sofreu vários acidentes vasculares cerebrais, o último dos quais em setembro de 2016 que quase lhe custou a vida.

Mireille Darc, que foi a companheira de Alain Delon durante 15 anos, experienciou uma travessia no deserto nos anos 1980, na sequência de sérios problemas de saúde.

A atriz, que embora com o apelido Aigroz adotou como nome artístico Mireille Darc em alusão à heroína da história francesa Joana D’Arc, iniciou a sua carreira no pequeno ecrã, ao qual regressaria na década de 1990, renovando a sua popularidade em inúmeras séries no papel de mulher determinada e independente, após negligenciada pelo cinema.

Mireille Darc irrompeu no cinema nos anos 1960 com o seu físico sexy, em particular pela mão de uma das maiores referência da comédia francesa, Georges Lautner, que fez dela uma estrela. Les Barbouzes (1964) ou Galia (1966) foram algumas das películas mais famosas dessa época.

Na década seguinte, rodou vários filmes, também com Lautner, como Il était une fois un flic (1971), Le Grand Blond avec une chaussure noire (1972) ou Le Retour du Grand Blond (1974), que a confirmaram como um símbolo sexual.

Distinguida com a Legião de Honra em 2006, Mireille Darc dedicou-se nos últimos anos a ações de caridade, tornando-se ‘madrinha’ da associação La Chaîne de l’Espoir.

Também realizou vários documentários, incluindo um para televisão, em 2015, sobre as pessoas sem teto. Desde 2002 era casada com o arquiteto Pascal Desprez.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site