Beleza e Bem Estar

5 formas de rentabilizar (e atenuar) o regresso ao trabalho

169

Para que não enfie a cabeça numa pilha de papéis e se entregue ao stress logo após as férias, reunimos alguns conselhos para regressar mais facilmente às rotinas e aos horários de trabalho.

Ainda a pensar nas férias? Falámos com um especialista em produtividade para reunir algumas dicas capazes de atenuar o regresso ao trabalho.

iStockphoto/g-stockstudio

Ainda o sol brilha lá no alto e já começamos a pensar no quão mais organizados vamos ser quando voltarmos ao trabalho: nas vezes que vamos chegar mais cedo ao escritório e sair a horas, na caixa de e-mail que vai estar sempre limpa e arrumada e no calendário milimetricamente preenchido. O fim das férias grandes é uma espécie de regresso às aulas para graúdos que, tal como os mais novos, precisam de ser incentivados a mando da produtividade e deixar para trás a recordação de todos os castelinhos feitos na areia.

O que acontece muitas vezes, findas as duas ou três semanas de descanso, é que a energia e expetativa acumuladas acabam por se dissipar no dia do regresso. Caem por terra todas as imagens de uma secretária arrumada e de uma série de trabalhos riscados da lista de afazeres. Instalam-se, ao invés, a neura, preguiça e o devaneio.

Para evitar que volte a cair na armadilha que, ano após ano, ataca a sua produtividade, reunimos alguns conselhos com a ajuda de Luíz Gonzaga, coach certificado em “Inteligência Espiritual” pela Deep Change e o responsável pela formação em “Produtividade com Inteligência” na empresa Full Fill.

1. Regresse a casa um dia antes das férias acabarem

Pode parecer algo óbvio para quem tem filhos e sabe, à partida, que precisa de tempo para reorganizar a rotina familiar. Mas é certo que há quem queira aproveitar todos os minutos das férias e opte por chegar a casa no último instante, sem oportunidade para desfazer malas, lavar roupa ou preencher as lacunas da dispensa. Pois bem, segundo um artigo da Forbes, que cita Laura Vanderkam, a autora do livro 168 Hours: You Have More Time Than You Think, voltar num sábado em vez de num domingo pode, na verdade, diminuir o impacto do primeiro dia de trabalho.

2. Aproveite o primeiro dia de trabalho

É provável que queira fazer em duas horas tudo aquilo que não fez nas duas semanas em que esteve fora. A iniciativa pode até ser de louvar, mas Luíz Gonzaga não perde tempo ao alertar para a necessidade de “não estragar as férias logo na primeira manhã”. Quer isto dizer que é preciso não esquecer que se veio de férias há relativamente pouco tempo e que o primeiro dia de trabalho (e até a primeira semana) diz respeito a um período de adaptação — de transição, se quisermos. Gonzaga deixa o seguinte conselho: “No primeiro dia faça por reter na memória a melhor lembrança das férias. A ideia não é ficar de ressaca, antes prolongar o bom humor por mais um tempo, antes de ser atropelado pelo trabalho.”

3. Arrume a secretária, mas não a caixa de e-mail

Um estudo citado pela Forbes, num artigo datado de 2012, associa a desorganização de uma secretária à menor produtividade, como se a nossa performance estivesse intimamente ligada ao nosso lugar de trabalho. Pela lógica apresentada, quanto mais organizada está a secretária, mais motivados e concentrados estamos. A ser verdade, é um conselho válido em período pós-férias, mas não só. Uma outra investigação, com base num inquérito feito a mais de 1.000 colaboradores da empresa Adecco, sugere que os colegas de trabalho se julgam uns aos outros pelo quão limpas ou sujas estão as suas secretárias.

Ter a secretária arrumada pode ser meio caminho andado para se sentir mais motivado a trabalhar. © iStockphoto

Arrumar a secretária é, então, ponto assente. Mas no que toca à caixa de e-mail a conversa é outra. “Se num dia normal devemos ler a caixa de e-mail apenas três ou quatro vezes, no primeiro dia de férias, logo pela manhã, os e-mails são para esquecer”, afirma Gonzaga. Caso a vontade de passar os olhos seja muita, o melhor é não processar os e-mails por ordem cronológica mas, ao invés, dar prioridade a determinados remetentes — chefes, colegas de equipa e clientes incluídos. Luíz Gonzaga assegura que há formas de determinar quais os e-mails enviados diretamente para nós, sendo esta uma das ferramentas a dar uso.

Ainda no mesmo tópico, Gonzaga deixa claro que “ninguém lê os e-mails todos” e que, mais importante do que nos focarmos nas mensagens virtuais à nossa espera num computador, é travar conversas com os colegas. Não há melhor forma de fazer um ponto de situação.

Com uma secretária assim até dá vontade de voltar ao trabalho

4. Não mergulhe logo no trabalho

Regressar de férias com tempo é essencial para não cair na teia do stress pós-férias, daí que seja necessário fazer pausas regulares, que incluem meter conversa com os colegas, e resistir a fazer mais do que uma tarefa ao mesmo tempo. A isso acrescenta-se a ideia de comer à secretária, coisa que, segundo Gonzaga, nunca deve acontecer — além de não ser higiénico, é um momento de descanso mental que não é aproveitado.

“Quando se volta ao trabalho, a pessoa deve pensar quais são os seus projetos mais importantes. Ou seja, deve ganhar perspetiva de como vai ser a semana.” Dito isto, é importante que o dia de regresso não seja mote para se pegar em projetos megalómanos. Mas mais do que fazer uma lista de prioridades, é importante fazer uma lista de resultados. “Quais são os três resultados que quero para o dia de hoje?”, pergunta Gonzaga, a título de exemplo.

É importante priorizar o dia, mas também os resultados que queremos alcançar. © iStockphoto

5. Saia a horas

Na verdade, não é preciso um formador para dizer o quão importante é o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, sobretudo após um período de descanso, em que o corpo e a mente se habituaram a relaxar. “É preciso sair-se cedo para não sobrecarregar, para manter os níveis de stress reduzidos. Não é para estragar tudo logo no primeiro dia.” A isso Luíz Gonzaga acrescenta a importância de fazer exercício físico — se este é o seu primeiro dia, saia a horas e vá fazer uma corridinha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Estado

O Estado e a verdade

Rui Ramos

Este é um Estado que teve seis anos José Sócrates à frente do governo, carregado de suspeitas de corrupção, mentira e conspiração contra o Estado de direito – e nada fez para esclarecer as dúvidas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site