Mercedes-Benz

Mercedes. A estrela no capot já era

326

A marca alemã decidiu retirar da lista de opções a estrela no topo de capot do motor. Os clientes cada vez mais jovens não são fãs e o “extra” deixou de fazer sentido.

Autor
  • Alfredo Lavrador

A Mercedes tem vindo a rejuvenescer os seus clientes, cativando um número crescente de compradores mais jovens e isso reflecte-se em opções tão simples e tão carregadas de simbolismo – para a marca, é claro – como a estrela da marca o topo do capot do motor.

No mercado americano, o construtor germânico foi forçado a tomar uma decisão em relação a este elemento estilístico, carregado de história, uma vez que no Classe C era cada vez menor o número de compradores que optava pela estrela de três pontas em cima do capot, contentando-se com a que adorna a grelha. Segundo a Mercedes, mesmo comercializando a pequena estrela a 350 dólares, a marca perdia dinheiro, pelo que retirá-la da lista de opções do modelo foi a decisão óbvia.

A estrela no capot, que já tinha desaparecido dos coupés, cabrios e compactos, como o Classe A, é agora um exclusivo das Classe E e S, restando saber até quando. E, já agora, quando será tomada a mesma decisão para o mercado europeu, tanto mais que a mudança para os veículos eléctricos que se aproxima, e que atrairá clientes ainda mais jovens, deverá tornar obsoleta esta memória do passado.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A plateia dos patetas

Maria João Avillez

Um misto de leveza, manha, irresponsabilidade. Uma manipulação a partir do palco do poder para a plateia de patetas onde quem não é da geringonça é suposto estar sentado.

Agências de Rating

De BB+ para BBB-

Luís Aguiar-Conraria

A procissão ainda vai no adro. Para a Fitch e a Moody’s a dívida portuguesa anda é investimento especulativo. E, enquanto estivermos muito endividados, estaremos sujeitos aos maus humores dos mercados

Fernando Medina

Síndrome de Lisboa

Maria João Marques

O carro é um meio de transporte legítimo, os proprietários pagam impostos, pelo que têm direito a usá-lo quando assim lhes for mais confortável e conveniente, sem serem demonizados pelo edil lisboeta.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site